BRINQUEDOTECA HOSPITALAR: CONTRIBUIÇÕES DOS BRINQUEDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

Graziella Moura da Silva, Tícia Cassiany Ferro Cavalcante, Thatiane Bezerra Teixeira de Oliveira

Resumo


A aprendizagem e o desenvolvimento estão inter-relacionados desde o primeiro dia de vida, por essa razão a criança precisa brincar socializar e estudar. Sendo assim a proposta da brinquedoteca vem para suprir, mesmo que de forma limitada, essa necessidade infantil das crianças que se encontra hospitalizada. A Lei Federal n° 11.104/2005 legisla sobre a obrigatoriedade dos hospitais pediátricos terem uma brinquedoteca, a fim de resgatar e garantir o direito à brincadeira e à infância, sendo esse um espaço provido de brinquedos e jogos educativos, destinado a estimular as crianças e seus acompanhantes a brincar, contribuindo para a construção e/ou fortalecimento das relações de vínculo e afeto entre as crianças e seu meio social. Na Brinquedoteca, as crianças têm a oportunidade de realizar atividades voltadas à estimulação da infância, permitindo que elas se sentir mais acolhidas, socializadas e motivadas, durante o tratamento e enfrentem o período de internação com uma visão mais positiva, através da brincadeira. Diante dessa problemática, o objetivo do presente trabalho é analisar os brinquedos existentes na brinquedoteca do Hospital das Clínicas, da Universidade Federal de Pernambuco, dentro da perspectiva do aprendizado e desenvolvimento que eles podem favorecer.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº 11.104, de 21 de março de 2005. Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 21 mar. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Ato2004-2006/2005/Lei/L11104.htm. Acesso em: 07 out. 2017.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedoteca: definição, histórico no Brasil e no mundo. In: FRIEDMANN, Adriana et al. O direito de brincar: a brinquedoteca. 2ª ed. São Paulo: Scrita: ABRINQ, 1992.

MELO, Luciana; VALLE, Elizabeth. O brinquedo e o brincar no desenvolvimento infantil. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 23, n. 40, p. 43-48, jan./mar. 2005.

VYGOTSKY. L.S. Formação social da mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6ª ed. São Paulo: Martins Fonte, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)