JOGOS E BRINCADEIRAS PARA PROBLEMATIZAR MARCADORES SOCIAIS

Alexandra Aline do Nascimento, Alicia Laíz da Silva Sousa, Yngrid Alexandre de Lemos, Carla Menêses Hardman

Resumo


prático. Portanto, o presente trabalho é oriundo de uma vivência do Programa Residência Pedagógico, ocorrido na Escola Estadual Timbi, situada em Camaragibe/PE. Visto os impasses recorrentes ao comportamento hostil dos indivíduos devido a falta de esclarecimentos sobre gênero e sexualidade no âmbito escolar, a temática precisa assumir urgentemente o papel prioritário. Introdução: Diante da fragilidade em abordar a temática gênero e sexualidade, é inegável a importância papel docente à formação humana dos indivíduos. De acordo com (Pereira &Monteiro 2015, p.4, apud, Carrara et al, 2010) a heterossexualidade toma caráter compulsório, estabelecendo uma ordem social na qual meninas e meninos são criados obedecendo a uma coerência entre sexo, gênero e desejos. Portanto, (ALTMANN, 2001, p.2) define a sexualidade como algo que há de mais íntimo nos indivíduos e aquilo que os reúne globalmente como espécie humana. Através da elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais na década de 90, os temas transversais têm o propósito voltado à cidadania e responsabilidades pessoal, coletiva e ambiental. Assim, um dos temas contemplam a orientação sexual. Dado a premissa no debate acerca da diversidade sexual, (Dinis,2007, p.1) a educação deve ser também um espaço de cidadania e de respeito aos direitos humanos, o que tem levado o currículo a discutir o tema da inclusão de grupos minoritários. Em meio aos conflitos sociais (MELO & GONÇALVES 2010, p.3) definem os marcadores sociais da diferença a partir das construções sociais pré - existentes ao nosso nascimento. Contudo, o posicionamento dos indivíduos perante às normas sociais previamente definidas, sentencia a maneira de nos impor. 

Texto completo:

PDF

Referências


POOVEY, Mary. “Feminism and deconstruction”. Feminist Studies, v. 14, no 1, 1988, pp. 51-65.

DINIS, Nilson; ASINELLI-LUZ, Araci. Educação sexual na perspectiva histórico-cultural. Educar em Revista, n. 30, 2007.

MELLO, Luiz; GONÇALVES, Eliane. Diferença e interseccionalidade: notas para pensar práticas em saúde. Revista Cronos, v. 11, n. 2, 2010.

PEREIRA, Zilene Moreira; MONTEIRO, Simone Souza. Gênero e sexualidade no ensino de ciências no Brasil: análise da produção científica recente. Revista Contexto & Educação, v. 30, n. 95, p. 117-146, 2015


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)