PARADESPORTO NA ESCOLA PÚBLICA: O GOALBALL COMO ESTRATÉGIA DE INCLUSÃO SOCIAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA

Pedro André da Silva Lins, Vanbaster José de Oliveira, Lucas Janiel de Fontes Silva, Luana Freire Soares, Tereza França

Resumo


Um processo de educação inclusiva não é tarefa simples, principalmente na escola pela forma como estar estruturada e funciona. O paradesporto na escola é uma prática que tem estimulado a participação do conjunto de alunos, especialmente pelo seu caráter integrador. Propor, sistematizar, vivenciar essa prática nas aulas de Educação Física amplia as possibilidades para reflexões e construções entre os atores que integram o coletivo da turma. É uma prática agregadora de valores em relação ao respeito às diferenças e da valorização dos limites e possibilidades entre os alunos. Neste sentido, consideramos relevante materializar práticas inclusivas, como por exemplo, o paradesporto, que asseguram estratégias centradas na busca da superação do preconceito entre os atores da escola - alunos, professores e gestores. O objetivo deste estudo é identificar as contribuições resultantes da prática do paradesporto – goalball em aulas de Educação Física no sentido da inclusão dos praticantes. Uma de nossas fontes foi a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, em seu art. 42, que afirma “A pessoa com deficiência tem direito à cultura, ao esporte, ao turismo e ao lazer em igualdade de oportunidades com as demais pessoas” (BRASIL, 2015). Esta afirmação constitui um avanço na direção da relevância das práticas inclusivas e por estimular a compreensão que o paradesporto assegura valores de respeito às diferenças. É uma prática humanizadora de caráter transformador que media a prática pedagógica ao propiciar a todos a apreender conteúdos de aula com amplas e concretas possibilidades de atingir objetivos. Sistematizar aulas com paradesporto requer estratégias para criar situações de ensino-aprendizagem, sejam em sala de aula, no pátio, na quadra ou em áreas afins da escola, com práticas inclusivas focadas na conscientização enfatizando as variadas formas de praticar esporte. O que impõe entender que aulas de Educação Física sejam, também, momentos de viver práticas inclusivas. Como modalidade de prática inclusiva, o goalball se destaca como tema de ensino para a Educação Física pelo cunho de inclusão e reflexão características próprias da modalidade como, por exemplo, o trabalho em equipe; desenvolvimento dos sentidos; inclusão de alunos com deficiência visual; respeito às diferenças.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL.Lei n.13.146, de 6 julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: 2 ed.Cortez, 2012.

CPB – COMITÊ PARALÍMPICO BRASILEIRO. ModalidadesGoalball. Disponível em:. Acesso em: 07 de abril. 2019.

EVÊNCIO,Kátia Maria de Moura(Org.).Educação Inclusiva - diversos olhares entre teorias e práticas. Paraná: ApprisEditora, 2018


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)