TEMAS TRANSVERSAIS EM EDUCAÇÃO COMO LUGAR DE SUPERAÇÃO ESSENCIALISTA: NOÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E DE GÊNERO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE RECIFE-PE

Joel Severino da Silva

Resumo


A educação é marcada por um conjunto de concepções de homem, mundo e sociedade e, altera-se, à medida em que discursos e relações de poder que se estabelecem no conjunto da sociedade cultural, política e econômica, se movimentam. Nesse processo histórico, tecido por infinitas correlações de forças ideológicas inerentes à sociedade humana, a educação formal, constituiu-se, em lugar de representatividade dos valores das culturas dominantes. Mediante o currículo e sua legitimidade social, a escola privilegiou que culturas deveriam ou não serem representadas (GOMES, 2007). Assim, ao visibilizar as culturas: branca; patriarcal; heterossexual; cristã; e eurocêntrica, em detrimento das demais, ajudou a cristalizar preconceitos e estigmas sociais. Diante a essa problemática,  realizamos em estágio supervisionado no Ensino Fundamental I (Pesquisa e Prática Pedagógica – V do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE), uma ação pedagógica tendo como temáticas transversais e interdisciplinares, noções étnico-raciais e gênero, em uma turma do 5 ano A da Escola Municipal Cristiano Cordeiro – localizada no bairro do Ibura, Recife – PE, tendo como objetivo geral: refletir sobre o lugar étnico-racial e de gênero na sociedade; e específicos: a) identificar os grupos étnicos-raciais constituidores da sociedade brasileira; b) discutir noções de pertencimento identitários; c) problematizar as questões de gênero como dispositivo de superação de desigualdades. A justificativa e relevância do trabalho se dar pela emergência de problematizar tais questões em sala de aula, a partir do ensino fundamental, a fim de superar as cristalizações e pretensões essencialistas dos valores das culturas dominantes

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Juditth. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: O corpo educado: Pedagogias da Sexualidade. Tradução, Tomaz Tadeu da Silva. 2ª ed. Belo Horizonte. Autêntica 2000.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. 48 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag4.pdf. Acessado em 02/04/2019.

GIROUX, Henry. Teoria Crítica e Resistência em Educação. Vozes: Petropolis, 1986.

BOURDIEU, P; PASSERON, J. A Reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves.1975.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)