A diáspora africana na foz do Rio Itajaí (SC) nos séculos XVIII e XIX

José Bento Rosa da Silva

Resumo


Resumo

O artigo investiga a presença de africanos escravizados na Foz do Rio Itajaí, no litoral norte do Estado de Santa Catarina, nos séculos XVIII e XIX. Nessa região existiam as armações da pesca de baleia, aonde se concentravam muitos desses escravizados, sobretudo transladados da região dos antigos reinos de Congo, Angola e Matamba. Privilegiando os livros de registros de batizados e casamentos, procuro reconstruir aspectos do cotidiano da vida desses africanos no contexto diaspórico. Ou seja, se eram casados ou solteiros; qual era a média de vida; quais eram as relações de parentesco, as tensões e as solidariedades entre os diversos grupos étnicos etc. Essas fontes documentais mostram que os proprietários desses africanos escravizados eram, em sua maioria, portugueses: militares, comerciantes, agricultores e religiosos, dentre outros. Um dos objetivos do artigo é dar visibilidade aos africanos nesta região do Brasil, uma vez que a historiografia oficial tradicional construiu uma versão de uma Europa “incrustada” ao sul do país, tornando invisíveis os demais grupos étnicos. Este artigo pretende contribuir para os esforços de reatarmos os laços históricos entre essas duas regiões.

 

Palavras-chave

Diáspora. Escravizados. Africanos.

 

_____________________________________________________________

Abstract

The paper investigates the presence of enslaved Africans in Foz do Rio Itajaí, on the northern coast of Santa Catarina, Brazil, in the eighteenth and nineteenth centuries. In this region there were whaling facilities where many of these slaves were kept, especially those brought from the region of the ancient kingdoms of the Congo, Angola and Matamba. Primarily using baptismal and marriage registers, the paper seeks to reconstruct aspects of everyday life in the context of the African Diaspora such as their marital status; their average life span; kinship relations, tensions and solidarities among the different ethnic groups. The research shows that the owners of enslaved Africans were mostly Portuguese: soldiers, traders, farmers and clergymen. One of the objectives of the paper is to give visibility to Africans in this region of Brazil, since the traditional official historiography has built a version of a Europe “embedded” in the South, making all other ethnic groups invisible. This article seeks to contribute to the efforts to reinstate the historic ties between Africa and Brazil.

 

Keywords

Diaspora. Enslaved people. African people.


Texto completo:

HTML

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427