NORMATIVIDADE ONTOLÓGICA E EUROCENTRISMO NA TEORIA DE AXEL HONNETH: UM DÉFICIT CRÍTICO?

Vitor Tavares Bahia

Resumo


Em primeiro lugar, este artigo tenta mostrar que há uma confusão entre o que pode ser considerado normativo e o que pode ser visto como pressuposto ontológico na teoria honnethiana. A ideia é que, na construção de sua crítica a Habermas, o suposto fundamento normativo para o qual a Teoria Crítica deveria voltar sua atenção e seus esforços científicos, filosóficos e políticos já é parte da teoria, por assim dizer, e não necessariamente um dado imanente da realidade social. Dessa problemática, surgem dois pontos derivados. O primeiro é demonstrar que, a despeito do projeto honnethiano empiricamente fundamentado, aquela normatividade ontológica é construída, teórica e politicamente, dentro de um escopo histórico-valorativo fortemente eurocêntrico com pretensões universalistas. O segundo ponto é mostrar que Honneth pagará um preço alto ao não levar em conta que, legitimadas ou não, as instituições modernas identificadas por ele como condicionantes da liberdade social têm importâncias e efeitos distintos a depender do contexto sócio-histórico. Isto, defendo, teria enfraquecido o potencial crítico da teoria do reconhecimento honnethiana.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427