A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS COMO MEIO DE RECONSTRUÇÃO AUTO-COMPOSITIVA DO DIREITO

Waldir Araujo Carvalho

Resumo


O presente artigo se inicia com remissões históricas à prática da mediação ao longo do tempo, enquanto método autocompositivo de resolução de conflitos, e analisa a restauração da natureza ôntica do direito através da mediação. Neste ponto trabalha-se com o conceito de onticidade como criação de normas e decisões jurídicas pelos próprios sujeitos mediados e estuda-se a prática do mediador, a cultura da litigância, o zen-jurismo e a mediação escolar enquanto elementos estruturantes da teoria defendida.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDREWS, Neil. O Moderno Processo Civil: formas judiciais e alternativas de resolução de conflitos na Inglaterra. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

AZEVEDO, André Gomma (org.). Manual de mediação judicial. Brasília: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRASIL. Constituição Política do Império do Brazil (1824). Rio de Janeiro, RJ: Secretaria de Estados dos Negócios do Império do Brazil, 1824.

CAPPELLETTI, Mauro. Os métodos alternativos de solução de conflitos no quadro do movimento universal de acesso a justiça. Revista do Processo, n. 74, ano 19, São Paulo, 1994, pp. 82-97.

CASELLA, Paulo Borba; SOUZA, Luciane Moessa de. Mediação de conflitos: novo paradigma de acesso à justiça. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

CORRÊA, Murilo Duarte Costa. Direito e budismo: o imaginário positivista no grau zero da eticidade e o devir-zen do direito. 2012. Disponível em: << http: // w ww.academia.edu/5158892/Direito_e_budismo_o_imaginario_positivista_no_grau_zero_da_eticidade_e_o_devir-zen_do_direito >> Acesso em 21/09/2014.

DAVIS, Edward. Mediação no direito comparado. Série Cadernos do CEJ, v. 22. Conferência em inglês. Tradução de Erlanda Chaves. 2002.

DIAS, Maria Tereza Fonseca (org.). Mediação, cidadania e emancipação social: a experiência da implantação do Centro de Mediação e Cidadania da UFOP e outros ensaios. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

FAGET, Jacques. Accès au droit et médiation. In: YOUNES, Carole; LE ROY, Etienne (Org.). Médiation et diversité culturelle. Paris: Karthala, 2002.

GUITON, Jean. O Livro da Sabedoria e das Virtudes Reencontradas. Lisboa: Notícias, 1999.

GROSSI, Paolo. Mitologias jurídicas na modernidade. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. Trad. George Sperber e Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola, 2002.

HERZ, Mônica; HOFFMANN, Andréa Ribeiro. Organizações Internacionais - História e práticas. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2004.

MOORE, Christopher W. O processo de mediação: estratégias práticas para a resolução de conflitos. Tradução Magda França Lopes. Porto Alegre: ARTMED, 1998.

NICÁCIO, Camila Silva. Direito e mediação de conflitos: entre metamorfose da regulação social e administração plural da justiça. In: Revista da Faculdade de Direito da UFMG, Belo Horizonte, n. 59, p. 11 a 56, jul./dez. 2011.

NICÁCIO, Camila Silva. A mediação diante da reconfiguração do ensino e da prática do direito: desafios e impasses à socialização jurídica. In: Meritum, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 249 a 288, jul./dez. 2012.

ROMÃO, José Eduardo Elias. Justiça procedimental: a prática da mediação na teoria discursiva do direito de Jünger Habermas. Brasília: Maggiore, 2006.

SANDER, Frank. The Multi-Door Courthouse: Settling Disputes in the Year 2000. HeinOnline: 3 Barrister 18, 1976.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma revolução democrática na justiça. São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. As tensões da modernidade: direitos humanos, globalização, culturas, interculturalidades, multiculturalismo, ocidente e islamismo. Revista da Associação dos Magistrados Brasileiros, ano 5, n. 10, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O discurso e o poder: ensaio sobre a sociológica da retórica jurídica. Porto Alegre: Fabris, 1988.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma concepção pós-moderna do direito. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. Porto: Afrontamento, 2000.

SCHNITMAN, Dora Fried; STEPHEN, Littlejohn. Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: ARTMED, 1999.

SERPA, Maria Nazareth. Teoria e prática da mediação de conflitos. Rio de Janeiro: Lumen Iuris, 1999.

SIX, Jean-François. Dinâmica da mediação. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

THIOLLENT, Michel. Metodologia de pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1988.

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Ordenações Filipinas. 1998. Disponível em: << http://www1.ci.uc.pt/ihti/proj/filipinas/l3p587.ht >> Acesso em 15/10/2014.

VILLEY, Michel. Filosofia do direito: definições e fins do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

WARAT, Luis Alberto. Surfando na pororoca: o ofício do mediador. Florianópolis: Boêmios, 2004.

WATANABE, Kazuo; GRINOVER, Ada Pellegrini; LAGRASTA, Caetano. Mediação de gerenciamento de processo: revolução na prestação jurisdicional. Atlas: São Paulo, 2007.

ZAMORRA Y CASTILLO, Niceto Alcalá. Processo, autocomposição e autodefesa. Cidade do México: Ed. Universidad Autónoma de México, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Waldir Araujo Carvalho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL