SABERES E DIREITOS DESCOLONIZADOS: a contribuição da categoria raça e a reinvenção dos direitos a partir de uma epistemologia latino-americana

PAULO FERNANDO SOARES PEREIRA, ANA CLAUDIA FARRANHA SANTANA

Resumo


O artigo pretende analisar, em uma perspectiva decolonial, como uma epistemologia latino-americana pode inaugurar novas perspectivas jurídicas para a construção de novos direitos. Sem desconsiderar alguns estudos da epistemologia crítica do “Norte”, o trabalho, a partir de uma epistemologia do “Sul”, analisa como têm sido enfrentadas as questões dos novos direitos constitucionais na América Latina, partindo do pressuposto segundo o qual a questão racial é um dos elementos fundamentais para a compreensão do processo de dominação inaugurado pela Modernidade. A metodologia consistiu na revisão crítica da literatura e o trabalho é dividido em duas partes: a) o colonialismo, o racismo e a tomada de consciência de sujeitos renegados; b) Saberes e direitos descolonizados: a reinvenção dos direitos a partir de uma epistemologia latino-americana.


Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA SANTAMARÍA, Ramiro. El neoconstitucionalismo transformador: el Estado y el derecho en la Constitución de 2008. Quito: Abya Yala, 2011.

ARANTES, Marco Antonio. Sartre e o humanismo racista europeu: uma leitura sartriana de Frantz Fanon. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 13, nº 27, mai./ago. 2011. p. 382-409.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Löic. A astúcia da razão imperialista. In: O mistério do ministério: Pierre Bourdieu e a política democrática. Tradução de Paulo Cezar Castanheira. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2005, p. 209-230.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Educación intercultural crítica: construyendo caminos. In: WASH, Catherine (org.). Pedagogías decolonialies: práticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, 2013, p. 145-161.

CUEVAS MARÍN, Pilar. Memoria colectiva: hacia un proyecto decolonial. In: WASH, Catherine (org.). Pedagogías decolonialies: práticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, 2013, p. 69-104.

DUSSEL, Enrique. 1492. O encobrimento do outro: a origem do “mito da modernidade”. Tradução de Jaime A. Clasen. Petrópolis: Vozes, 1993.

DUSSEL, Enrique reconhecimento dos novos direitos. In: Revista InSURgência, Brasília, ano 01, v. 1, nº 01, jan./jun., 2015. p. 121-135.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

JONES, James M. Racismo e preconceito. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Da Universidade de São Paulo, 1973.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo (Compilador.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 21-53.

MIGNOLO, Walter D. (Editor). Local histories/global designs: coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press, 2000.

OSTERHAMMEL, Jürgen. Colonialism: a theoretical overview. Translated from German by Shelley L. Frisch. 2. ed. Princeton: Markus Wiener Publishers, 2005.

REVATHI, Krishnaswamy; HAWLEY, John C. (Editors). The postcolonial and the global. Minneapolis: University of Minnessota Press, 2008.

SARTRE, Jean-Paul. Orfeu negro. In: Reflexões sobre o racismo. Tradução de J. Guinsburg. 5. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro – DIFEL, 1968, p. 89-125.

SARTRE, Jean-Paul. Colonialismo e neocolonialismo. Tradução de Diva Vasconcelos. São Paulo: Tempo Brasileiro, 1968.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

WALSH, Catherine. Introducción. Lo pedagógico y lo decolonial: entretejiendo caminhos. In: WASH, Catherine (org.). Pedagogías decolonialies: práticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 PAULO FERNANDO SOARES PEREIRA, ANA CLAUDIA FARRANHA SANTANA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL