O IMPACTO NEOCONSTITUCIONAL E O JUIZ GARANTIDOR NO SISTEMA PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO

Renato Rezende

Resumo


O Código de Processo Penal brasileiro de 1941 (CPP) foi impactado pela promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, em razão da edição de extenso rol de direitos e garantias, assim como pela apresentação de características inerentes ao sistema processual Acusatório. O referido sistema processual estabelece limites ao gerenciamento e iniciativa probatória do juiz criminal, sendo objeto desta pesquisa a definição desses limites. Para tanto foi apresentado como primeira hipótese a possibilidade do sistema processual ser fixado pela Constituição e ainda, como segunda hipótese, a decorrente invalidade de atos judiciais e dispositivos legais que atribuem ao juiz criminal competência para iniciar ou gerir provas no processo penal, em virtude da força normativa do texto Ápice. O desenvolvimento teórico e investigativo impresso na pesquisa se deram por meio de método científico hipotético-dedutivo, sendo apresentados conceitos gerais, sobre os quais, em um segundo momento, foram testas as hipóteses previamente formuladas. A pesquisa possui caráter eminentemente teórico e possui como referencial teórico a compreensão esposada por Aury Lopes Júnior acerca do núcleo fundante do sistema processual penal Acusatório em sua obra: Direito Processual Penal (2014/2016). As hipóteses formuladas foram confirmadas, observando-se que o juiz criminal deve se afastar do gerenciamento e iniciativa probatória estando sua ação limitada ao esclarecimento de dúvidas sobre as provas propostas e gerenciadas pelas partes, cabendo ao magistrado ainda a proteção e promoção dos direitos e garantias fundamentais.


Texto completo:

PDF

Referências


LVES, Fernando Brito. Constituição e participação popular: a construção histórico-discursiva do conteúdo jurídico-político da democracia como direito fundamental. Curitiba: Juruá, 2013;

AMARAL, Sérgio Tibiriçá; TEBAR, Wellington Boigues Corbalan. Da legitimação democrática do poder judiciário. Revista Direitos fundamentais e políticas públicas, Bebedouro, v. 2, n. 1, p. 141-164, 2014.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. São Paulo: Saraiva, 2010;

BARROSO, Luís Roberto. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito: O triunfo tardio do direito constitucional no Brasil. Revista eletrônica sobre a reforma do Estado (RERE). Salvador, nº 9, março/maio, p. 1-53. 2007;

BINEBOJM, Gustavo. Uma Teoria do Direito Administrativo: Direitos fundamentais, democracia e constitucionalização. Rio de Janeiro: Renovar. 2006;

BOFF, Leonardo. Inquisição: um espírito que continua a existir. In: EYMERICH,

Nicolau. Directorium Inquisitorum: Manual dos inquisidores. Brasília: Rosa dos Tempos, 1993;

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Pesquisa de jurisprudência. Disponível em: Acesso em 02 jan. 2018;

CAMBI, Eduardo. Neoconstitucionalismo e neprocessualismo: direitos fundamentais, políticas públicas e protagonismo do Judiciário. São Paulo: Revista dos Tribunais. 2009;

CANARIS, Claus-Wilhelm. Pensamento Sistemático e Conceito de Sistema na Ciência do Direito. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996;

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 2016;

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. O papel do juiz no novo processo penal. In:

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda (org). Crítica à Teoria Geral do Direito Processual. Rio de Janeiro: Renovar, 2001;

DEZEM, Guilherme Madeira. Curso de Processo Penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016;

FEREJOHN, J.;PASQUINO. P. Tribunais constitucionais como instituições deliberativas. In: Limites do controle de constitucionalidade. Trad. Adauto Villela et al. Antônio Carlos Alpino Bigonha e Luiz Moreira (org.). Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 41-64, 2009;

FIORAVANTI, Maurizio. Constitución, de laantigüedad a nuestros días. Trad. Manuel Martínez Neira. Madrid: Trotta, 2001;

GOMES, Luiz Flávio. A Dimensão da Magistratura no Estado Constitucional e Democrático de Direito: independência judicial, controle judiciário, legitimação da jurisdição, politização e responsabilidade do juiz. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997;

HORTA, Renato. Controle concentrado de constitucionalidade: elemento estrutural de validade das decisões sobre política pública. Curitiba: Juruá, 2017;

KHALED JUNIOR, Salah Hassan. A busca da verdade no processo penal: para além da ambição inquisitorial. São Paulo: Atlas, 2013;

LIMA, Renato Brasileiro de. Código de Processo Penal comentado. Salvador: Juspodivm, 2017;

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 2014;

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 2016;

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal comentado. Rio de Janeiro: Forense, 2016;

POLI, Camilin Marcie. O inquérito policial e sua utilização na fase processual: (des)conformidade com devido processo legal. 213 f. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015;

PRADO, Geraldo. Sistema acusatório: a conformidade constitucional das leis

processuais penais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005;

OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. Curso de Processo Penal. São Paulo: Atlas, 2017;

RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. Rio de Janeiro. Lúmen Juris, 2008;

RUST, Leandro Duarte. Bulas inquisitoriais: ad abolendam (1184) e vergentis in

senium (1199). In: Revista de História da USP, São Paulo, n. 166, p. 129-161, jan./jun. 2012;

SAMPAIO, José Adércio Leite. Teoria da constituição e dos direitos fundamentais. Belo Horizonte: Del Rey, 2013;

SILVA, Paulo M. C. O pós-positivismo do neoconstitucionalismo. Revista Direito e liberdade. Natal, V. 16, nº 1, p. 171-189, jan/abr. 2014;

TÁVORA, Nestor. ALENCA, Rosmar Rodrigues. Curso de Direito Processual Penal. Salvador: Jus Podivm, 2016;

VICENTINO, Cláudio. DORIGO, Gianpaolo. História geral e do Brasil. vol. 1. São Paulo: Scipione, 2013a;

VICENTINO, Cláudio. DORIGO, Gianpaolo. História geral e do Brasil. vol. 3. São Paulo: Scipione, 2013b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Renato Rezende

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL