UMA CRÍTICA AO CONCEITO DE ABISMO GNOSEOLÓGICO NA TEORIA RETÓRICA DE JOÃO MAURÍCIO ADEODATO

Torquato da Silva Castro Jr., Victor Lacerda, João Amadeus Alves dos Santos

Resumo


A noção de abismo gnoseológico, em conjunto com a de abismo axiológico, é a base epistemológica da teoria retórica de João Maurício Adeodato. Ela faz parte dos fundamentos teóricos e apoia as teses do autor sobre a impossibilidade de comunicação plena, das verdades imutáveis e da ideia de uma etiologia jurídica. Neste artigo, buscamos demonstrar que a noção de abismo gnoseológico possui como fundamento uma teoria da linguagem como representação, e pressupõe uma ontologia calcada em teorias da mente comuns à tradição ocidental. Argumentamos, utilizando-nos de conceitos da filosofia tardia de Wittgenstein, que tais pressupostos parecem estar em desacordo com outras posições do próprio Adeodato.


Texto completo:

PDF

Referências


ADEODATO, João Maurício Leitão. Uma Teoria Retórica da Norma Jurídica e do Direito Subjetivo. São Paulo: Noeses, 2011.

ADEODATO, João Maurício Leitão. Ética & Retórica: Para uma teoria da dogmática jurídica. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2009a.

ADEODATO, João Maurício Leitão. A retórica constitucional (sobre tolerância, direitos humanos e outros fundamentos éticos do direito positivo). São Paulo: Saraiva, 2009b.

ADEODATO, João Maurício Leitão. Filosofia do Direito: Uma crítica à verdade na ética e na ciência. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

BIX, Brian. Law, Language, and Legal Determinacy. Oxford: Oxford Press, 1993.

CASTRO JR., Torquato da Silva . A Bola Do Jogo: uma metáfora performativa para o desafio da pragmática da norma jurídica. In: Adeodato, J. M.; Bittar, E. C. B.. (Org.). Filosofia e Teoria Geral do Direito: homenagem a Tercio Sampaio Ferraz Júnior. São Paulo: Quartier Latin, 2011, pp. 1075-1088.

DEETZ, Stanley. Words Without Things: Toward a Social Phenomenology of Language. Quarterly Journal of Speech. v. 59, pp. 40-51, 1973.

HART, H. L. A., The Concept of Law. Oxford: Oxford Press, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Identity and difference. Tradução de Joan Stambaugh. Nova Iorque: Harper & Row, 1969.

MARTINS, Helena. Sobre a estabilidade do significado em Wittgenstein. Veredas: Revista de estudos lingüísticos. v. 4, n. 2. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2000

STONE, Martin. Focalizando o direito: o que a interpretação jurídica não é. In: MARMOR, Andrei (ed.). Direito e interpretação: ensaios de filosofia do direito. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Trad. Marcos G. Montagnoli. Petrópolis: Vozes, 1994.

WITTGENSTEIN, Ludwig.On Certainty. Edição bilíngue. Tradução de Denis Paul e G. E. M. Anscombe. Nova Iorque: HarperCollins, 1972.

WITTGENSTEIN, Ludwig.Observações Filosóficas. Tradução de Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 2005.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Gramática Filosófica. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Loyola, 2003.

WITTGENSTEIN, Ludwig.Tractatus Logico-Philosophicus. 4. ed. Edição bilíngue. Tradução de Luiz Henrique Borges dos Santos. São Paulo: Edusp, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Torquato da Silva Castro Jr., Victor Lacerda, João Amadeus Alves dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL