UBERIZAÇÃO DO TRABALHO, SUBORDINAÇÃO JURÍDICA E DEPENDÊNCIA ECONÔMICA

Murilo Carvalho Sampaio Oliveira

Resumo


O artigo discute as ideias de subordinação jurídica e dependência econômica no contexto daqueles que laboram em plataformas digitais, especificamente no modelo Uber. Inicia pela demonstração dos problemas provocados pela dimensão clássica (fordista) da noção de subordinação jurídica diante da uberização e em antigas relações flexíveis. Para compreender adequadamente quem deve ser o sujeito protegido pelo Direito do Trabalho, recorre-se à economia política clássica para delinear os traços do trabalho assalariado no capitalismo. A par da contribuição interdisciplinar, apresenta-se uma dependência econômica ressignificada, refutando as conhecidas críticas à ideia, de modo a considerar que a antiga noção de dependência econômica era superficial. No caso do modelo da Uber, indica como os métodos de controle, em especial o dirigismo econômico, caracterizam a noção de dependência econômica. Com o método dialético, foram empregadas técnicas de pesquisa de análise bibliográfica e documental.

 

Palavras-chave


uberização; assalariamento; relação de emprego; subordinação jurídica; dependência econômica

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANTES, José João. Estudo sobre o Código do Trabalho. Coimbra, Coimbra Ed, 2004.

ANDRADE, Everaldo Gaspar; BEZERRA, Zelia Costa Santos. ASPECTOS DA SUBORDINAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Suas implicações no contexto das novas tecnologias da comunicação e da informação. Revista Acadêmica da Faculdade de Direito do Recife, [S.l.], v. 89, n. 01, p. 125-143, out. 2017. ISSN 2448-2307. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2020.

BARASSI, Ludovico. Tratado del Derecho del Trabajo. Tomo I. Trad. Miguel Sussimi. Buenos Aires, Editorial Alfa, 1953.

BRASIL. 12ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. Sentença no processo nº 0010497-38.2017.5.03.0012. Belo Horizonte, 2017.

CATHARINO, José Martins. Compêndio de Direito do Trabalho. 1ª Volume. São Paulo: Saraiva, 1982.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão salarial: uma crônica do salário. 6ª Ed. Petropólis: Vozes, 1998.

COSENTINO, Carlo. Direito do trabalho, tecnologias da informação e da comunicação: impactos nas relações individuais, sindicais e internacionais de trabalho. Belo Horizonte, RTM, 2018.

DAVIDOV, Guy. The Status of Uber Drivers: A Purposive Approach. Spanish Labour Law And Employment Relations Journal, [s.l.], v. 6, n. 1-2, p.6-15, 6 nov. 2017. Universidad Carlos III de Madrid. http://dx.doi.org/10.20318/sllerj.2017.3921.

DELGADO, Maurício Godinho. Direitos fundamentais na relação de trabalho. Revista LTr, São Paulo, LTr, ano 70, n. 6, p. 657-667, jun. 2006.

GASPAR, Danilo. A crise da subordinação jurídica clássica enquanto elemento definidor da relação de emprego e a proposta da subordinação potencial. Dissertação de Mestrado em Direito defendida na Universidade Federal da Bahia. Salvador, UFBA, 2011.

GOMES, Orlando. Introdução do Direito do Trabalho.Rio de Janeiro, Revista Forense, 1944.

GOMES, Orlando; GOTTSCHALK, Élson. Curso de Direito do Trabalho. 17ª Ed. Atualizada por José Augusto Rodrigues Pinto e Otávio Augusto Reis de Sousa. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2009.

LOCKE, Jonh. Segundo Tratado sobre o Governo. In Os pensadores. Trad. Anoar Aiex e E. Jacy Monteiro. 2ª Ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Trad. Reginaldo Sant'anna. 24ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2006. Livro I, volume 1.

______ O Capital: crítica da economia política. Trad. Reginaldo Sant'anna. 23ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2006. Livro I, volume 2.

MENDES, Marcus Barberino; CHAVES JUNIOR, José Eduardo de Resende. Subordinação estrutural-reticular: uma perspectiva sobre a segurança jurídica. Disponível em < http://www.trt3.jus.br/escola/download/revista/rev_76/Marcus_Jose.pdf> Acesso em 01 dez. 2008.

OITAVEN, Juliana; CARELLI, Rodrigo; CASAGRANDE, Cássio Luís. Empresas de transporte, plataformas digitais e a relação de emprego: um estudo do trabalho subordinado sob aplicativos. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2018.

OLEA, Manoel Alonso. Introdução ao Direito do Trabalho. 2ª Ed. Porto Alegre: Sulina, 1969.

OLIVEIRA, Murilo Carvalho Sampaio. (Re)Pensando o Princípio da Proteção na Contemporaneidade. São Paulo: LTr, 2009.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). El ámbito de la relación de trabajo. Disponível em < http://www.oit.org/public/spanish/standards/relm/ilc/ilc91/pdf/rep-v.pdf >. Acesso em 30 nov. 2010.

PIRES, Elisa Guimarães Brandão. Aplicativos de transporte e o controle por algoritmos: repensando o pressuposto da subordinação jurídica. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Direito: Belo Horizonte, 2019.

PORTO, Lorena Vasconcelos. A subordinação no contrato de trabalho: uma releitura necessária. São Paulo: LTr, 2009.

ROMITA, Arion Sayão. A subordinação no Contrato de Trabalho. São Paulo: LTr, 1979.

SLEE, Tom. Uberização: A Nova Onda do Trabalho Precarizado. Tradução: João Peres.São Paulo: Elefante, 2017.

SMITH, Adam. Riqueza das Nações. (Ed. Condensada). Trad. Norberto de Paula Lima. São Paulo: Folha de São Paulo, 2010.

VILHENA, Paulo Emílio Ribeiro. Relação de emprego: estrutura legal e supostos. 3ªEd. São Paulo: LTr, 2005.

ZINGUEREVITCH, Alexandre. La Notion de Contrat de Travail. Paris: Pedone, 1936.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Murilo Carvalho Sampaio Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL