OS CONSELHOS ESCOLARES COMO ESTRATÉGIA PARA O FORTALECIMENTO DA DEMOCRACIA NO ESPAÇO DA ESCOLA

Carlos Antônio Diniz Júnior, Paula Phernanda dos Santos Cardoso

Resumo


Este artigo objetiva analisar as potencialidades dos Conselhos Escolares como espaço de fortalecimento da democracia no âmbito da escola. A metodologia empregada foi a revisão de literatura através de pesquisa bibliográfica e análise documental sobre o tema. Considera-se que os Conselhos Escolares estão intrinsecamente relacionados à perspectiva de descentralização determinada pela Constituição Federal de 1988. Entre os resultados, destaca-se que os Conselhos Escolares: 1. se constituem como um exercício pedagógico da participação e da representação no espaço escolar, e; 2. oportunizam que os gestores escolares possam exercer uma gestão mais democrática, compartilhando responsabilidades e decisões.

 

Abstract

This paper aims to analyze the potential of the School Councils as spaces for strengthening democracy within the school. The methodology used was the review of literature through bibliographic research and documentary analysis on the subject. It is considered that the School Councils are intrinsically related to the perspective of decentralization determined by the Federal Constitution of 1988. Among the results, it is emphasized that the School Councils: 1. constitute a pedagogical exercise of participation and representation in the school space, and; 2. make it possible for school administrators to exercise more democratic management, sharing responsibilities and decisions.

Keywords

School Council; Democratic Management; Participation; Representation.


Palavras-chave


Conselho Escolar; Gestão Democrática; Participação; Representação

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, T., CAMARGO, R.B. A gestão democrática na Constituição Federa de 1998. In.: OLIVEIRA, R. P.; ADRIÃO, T. (orgs). Gestão, financiamento e direito à educação: análise da LDB e da Constituição Federal. SP: Xamã, 2001.

AGUIAR, M. A. da S. Gestão da educação básica e o fortalecimento dos Conselhos Escolares. Educ. Rev. nº.31, p.129-144, 2008.

ALVES, J. M.; ALMEIDA, D. M. F. Participação e controle social: a experiências do Conselhos Municipal de Assistência Social de Londrina/PR. Revista: O Social em questão. RJ: Ano XVII, nº 30, 2013.

ARENDT, H. Crises da República. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

AVRITZER, L. Participação social no Nordeste. UFMG: BH, 2007.

____________. O pêndulo da democracia no Brasil. Novos Estudos. CEBRAP: SP, vol. 03, n. 02, 2018.

AZEVEDO, J. M. L. O Estado, a política e a regulação do setor educacional no Brasil: uma abordagem histórica. In: NAURA, S. C.; FERREIRA, M. A. da S. A (Orgs.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000.

BOBBIO, N. O futuro da democracia. 10ª ed., São Paulo, Paz e Terra, 2000.

BORDE, Amanda Moreira. Conselhos Escolares em duas escolas públicas de tempo integral do Município de Itaboraí/RJ: a participação em discussão. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2016.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988.

____________. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 1996.

____________. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília, 2001.

____________. Conselhos Escolares: uma estratégia de gestão democrática da educação pública. Programa Nacional de Programa Nacional de Fortalecimento de Conselhos Escolares. MEC: Brasília, 2004.

____________. Portaria nº 2.896, de 16 de setembro de 2004. Cria o Programa Nacional de Fortalecimento de Conselhos Escolares. MEC: DF, 2004a.

____________. Conselhos Escolares: democratização da escola e construção da cidadania. Programa Nacional de Programa Nacional de Fortalecimento de Conselhos Escolares. MEC: Brasília, 2004b.

____________. Lei nº 13.005, de 25 de julho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, 2014.

CALVI, K. U. O Controle Social nos Conselhos de Políticas e de direitos. Revista Emancipação. Ponta grossa, v.8, n.1, 09-20, jan/jun, 2008.

CARNEIRO, C. B. L. Conselhos de políticas públicas: desafios para sua institucionalização. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro 36(2):277-92, Mar./Abr. 2002.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, Vozes, 2008.

CISESKI, A. A.; ROMÃO, J. E.. Conselho da Escola: coletivos instituintes da escola Cidadã. GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. R. (orgs.). Autonomia da Escola: princípios e propostas. São Paulo: Cortez, 2001.

CONTI, C.; SILVA, F. C.. Conselho Escolar: alguns pressupostos teóricos. In: LUIZ, Maria C. Conselho Escolar: algumas concepções e propostas de ação. São Paulo: Xamã, 2010.

CURY, C. R. J. A Gestão Democrática na escola e o direito à educação. RBPAE. Set/dez, 2007.

DAGNINO, E. Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva. Trabalho apresentado à reunião do Grupo de Trabalho do CLACSO, Cultura e Poder, Buenos Aires, 5 e 6 de junho de 2003.

____________. Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva. In.: GRIMSON, A. La cultura en las crisis latino-americanas. Clacso, Buenos Aires. 2004.

____________.; OLVERA, A.; PANFICHI, A. (orgs.). A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo/Campinas, SP: Paz e Terra/Unicamp. 2006.

DAHL, R. A. Poliarquia: Participação e Oposição. Tradução de Celso Mauro Paciornik. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1997.

DINIZ JÚNIOR, C. A. Comitês Territoriais de Educação Integral: das ideias ao texto. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2017.

GARCIA, S. R. de O. O fio da história: a gênese da formação profissional no Brasil. Trabalho e Crítica. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1988.

HORA, D. L. Gestão Democrática na Escola: artes e ofícios da participação coletiva. Papirus: SP, 1994.

LIBÂNEO, J.C. Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática, 5. ed. Goiânia, Alternativa, 2004.

LÜCK, Heloísa. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, 2009.

MENDONÇA, E.F. A regra do jogo: democracia e patrimonialismo na educação brasileira Campinas: FE/Unicamp, 2000.

MARANGONI, R. A. Gestão Democrática: a busca pela implementação na escola pública. Revista Administração Educacional – DAEPE- CE - UFPE Recife-PE, V.9 N.1 p. 05-22, jan/jun. 2018

PATEMAN, C. Participação e Teoria Democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1992.

SARTORI, G. A teoria da representação no estado representativo moderno. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, 1962.

SILVA, M. V.; PERONI, V. M. As mutações na oferta da educação pública no período pós-Constituição Federal e suas implicações na consolidação da gestão democrática. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação. Porto Alegre, v. 29, n. 2. 2013.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS: