A AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS NO CONCELHO DO PORTO (PORTUGAL): PERSPETIVAS DE GESTORES DE AGRUPAMENTOS DE ESCOLAS

Miguel Correia, Carla Figueiredo, Carlinda Leite

Resumo


     Em Portugal, nos ensinos básico e secundário, a Lei n.º 31/2002 afirma que o controlo da qualidade se aplica a todo o sistema educativo com vista à promoção da melhoria, da participação e da prestação de contas. Tendo esta situação por referência, foi realizada uma pesquisa que recolheu perceções de gestores/as de Agrupamentos escolares portugueses sobre efeitos da avaliação externa nos processos de gestão e liderança escolar.

     Os dados obtidos foram interpretados em diálogo com discursos académicos de referência e permitem reconhecer a importância que este processo assume nos quotidianos escolares e na tomada de decisão sobre a gestão escolar.

 

EXTERNAL EVALUATION OF SCHOOLS IN PORTO (PORTUGAL): PERSPECTIVES OF SCHOOL CLUSTERS PRINCIPALS

Abstract

     In Portugal, Law No. 31/2002 states that quality control applies to the entire education system in order to promote improvement, participation and accountability. Taking this situation as a reference, a survey was conducted that collected perceptions of school clusters principals about the effects of external evaluation on school management and leadership processes.

     The collected data were interpreted in dialogue with renowned academic discourses and allow to recognize the importance that this process assumes in school’s daily life and in decision making about school management.

Keywords: External Evaluation, School clusters, Improvement, Principals


Palavras-chave


Avaliação Externa de Escolas; Agrupamentos de Escolas, Melhoria; Gestores Escolares; Políticas Educativas

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, J. (Coord.). Manual de investigação qualitativa em educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017.

BARROSO, J. A autonomia das escolas: Uma ficção necessária. Revista Portuguesa de Educação, v. 17, n. 2, p. 49-83, 2004.

CANÁRIO, R. A escola: “Das promessas às incertezas”. Educação Unisinos, v. 12, n. 2, p. 73-81, maio/agosto, 2008.

CARLSON, B. School self evaluation and the ‘critical friend’ perspective. Educational Research and Review, v. 4, n. 3, 78-85, março, 2009.

DAY, C., JOHANSSON, O. & MOOS, L. (Editors). How school principals sustain success over time: International perspectives. Nottingham: Springer, 2011.

DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 192/2012, SÉRIE II DE 3 DE OUTUBRO. Define as normas orientadoras para a constituição de territórios educativos de intervenção prioritária de terceira geração. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, outubro, 2012. Disponível em . Acesso em: 15 de março de 2019.

DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 294/2002, SÉRIE I-A DE 12 DE DEZEMBRO. Aprova o sistema de avaliação da educação e do ensino não superior. Lisboa: Assembleia da República, dezembro, 2002. Disponível em . Acesso em: 15 de março de 2019.

DIÁRIO DA REPÚBLICA N.º 79/2008, SÉRIE I DE 22 DE ABRIL. Aprova o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, abril, 2008. Disponível em . Acesso em: 15 de março de 2019.

FIGUEIREDO, C., FERNANDES, P. & LEITE, C. Avaliação Externa de Escolas: Do discurso às práticas – Uma análise focada em Portugal e em Inglaterra. Meta: Avaliação, v. 9, n. 25, p. 1-31, janeiro/abril, 2017.

FRITSCHT, R. & LEITE, C. TEIP no espelho: Uma política portuguesa para promoção do sucesso escolar fundada na justiça social. Revista e-Curriculum, v. 17, n. 3, p. 794-803, 2019.

HARGREAVES, A. & GOODSON, I. Change over time? A report of educational change over 30 years in eight U.S. and Canadian schools. Chicago: Spencer Foundation, 2004.

HARGREAVES, A. Sustainable leadership and development in education: Creating the future, conserving the past. European Journal of Education, v. 42, n. 2, p. 223-233, 2007.

SAMPAIO, M. & LEITE, C. Políticas de avaliação das escolas e seus efeitos na construção de uma melhoria educacional. Revista de Administração Educacional, v. 1, n. 1, p. 3-16, janeiro/junho, 2014.

LEITE, C. & SAMPAIO, M. A territorialização das políticas educativas e a justiça curricular: O caso TEIP em Portugal. Currículo Sem Fronteiras, v. 15, n. 3, p. 715-740, setembro/dezembro, 2015.

LEITE, C. & SAMPAIO, M. A avaliação externa das escolas e os TEIP na sua relação com a justiça social. Educação, Sociedade & Culturas, v. 47, p. 115-136, 2016.

LEITE, C. A figura do «amigo crítico» no assessoramento/desenvolvimento de escolas curricularmente inteligentes. Actas do V Congresso da SPCE. Faro, 2002, p. 95-100.

OCDE. Equity and quality in education: Supporting disadvantaged students and schools. OECD Publishing, 2012. Disponível em . Acesso em: 13 de maio de 2019.

OCDE. Education at a glance 2014: OECD indicators. OECD Publishing, 2014. Disponível em . Acesso em: 13 de maio de 2019.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS: