Argumentation, games and knowledge construction: a review

Alisson Michel Silva Valença

Resumo


O presente artigo apresenta uma revisão de trabalhos que se propuseram a utilizar, principalmente, jogos para promover o desenvolvimento de habilidades argumentativas atreladas à construção de conhecimentos. Foram considerados os trabalhos publicados na última década (2010 a 2019), escritos em português, espanhol ou inglês, que abordassem projetos que construíram ou se utilizaram, prioritariamente, de jogos para a realização de atividades argumentativas em contextos educativos. Seis publicações se enquadraram nesses critérios, sendo três jogos físicos e três jogos digitais. Foi ressaltado pelos autores dos estudos a necessidade de que os jogos sejam inclusos num design pedagógico que oriente o processo argumentativo para que a proposta pedagógica seja potencializada. Além disso, apesar da efervescência dos jogos digitais, os jogos físicos também facilitaram o engajamento dos alunos nas atividades argumentativas. Com essa revisão, o atual estudo corrobora com o desenvolvimento de futuros projetos que promovam a argumentação através dos jogos.
Palavras-chave:argumentação, jogos digitais, jogos físicos, construção do conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, R. M., & Fialho, F. A. P. (2009, October). Concepção de jogos eletrônicos educativos: propostas de processo baseado em dilemas. Anais do Brazilian Symposium on Games and Digital Entertainment, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 8. Recuperado em 06 agosto, 2019, dehttp://www.sbgames.org/papers/sbgames09/artanddesign/60398.pdf

Aléssio, C. (2016, Junio). CIUDADANO, un juego para la enseñanza de la argumentación y el debate. Anais do Congresso Nacional y VII Congresso Iberoamericano de Pedagogía. Madrid, Espanã, 16. Recuperado em 06 agosto, 2019 de https://www.researchgate.net/publication/305434184_CIUDADANO_un_juego_para_la_ensenanza_de_la_argumentacion_y_el_debate

Allué, J. M. (1999). O Grande Livro dos Jogos. Belo Horizonte: Editora Leitura.

Asterhan, C. S. C., & Schwarz, B. B. (2007). The effects of monological and dialogical argumentation on concept learning in evolutionary theory. Journal of Educational Psychology, 99, pp. 626-639.

Bauer, M., Wylie, C., Jackson, T., Mislevy, B., Hoffman-John, E., John, M., & Corrigan, S. (2017). Why Video Games can be a Good Fit for Formative Assessment. Journal of Applied Testing Technology, 18(1), 19-31.

Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais. Recuperado em 04 junho, 2019, de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Recuperado em04 junho, 2019, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Brasil. (2020). Censo Escolar 2019 - Notas Estatísticas. Recuperado em 08 abril, 2020, de http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6798882

De Chiaro, S. R. de (2006). Argumentação em sala de aula: um caminho para auto-regulação do pensamento. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado em 01 dezembro, 2017, de https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/8389/1/arquivo8937_1.pdf

Fernandes, L. C. (2014). Argumentação na educação infantil: explorando possibilidades do uso da argumentação em sala de aula. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado em 01 dezembro, 2017, de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/28116

Ferreira, L. L., & Rodrigues, K. C. A. (2018, Setembro). A argumentação como estratégia de ensino para o desenvolvimento do pensamento probabilístico. Anais do Congresso Nacional - IV Seminário Internacional Argumentação na Escola, Recife, PE, Brasil, 1.

Fuentes, C. (2011). Elementos para o desenho de um modelo do debate crítico na escola. In M. C. Damianovic, & S. Leitão (Orgs002E). Argumentação na escola: o conhecimento em construção (pp 225-250). Campinas, SP: Pontes Editores.

Fuentes. C., & Aléssio, C. (2016). Ciudadano: instrutivo. Santiago do Chile: edição dos autores.

Fuji, R. S. (2010). Um estudo sobre a argumentação no RPG nas aulas de Biologia. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Recuperado em 26 setembro, 2018, de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/24092/disserta.pdf?sequence=1&isAllowed=y

GlassLab. (2015). Field Study Results: Mars Generation One. Recuperado em 19 novembro, 2018, de http://about.glasslabgames.org/wp-content/uploads/2014/08/ResearchMGOFull.pdf?utm_source=GlassLab+Games&utm_campaign=20c3d6da05-GlassLab_Community_Update_MGO_GDH_2_24_2015&utm_medium=email&utm_term=0_5a773758ec-20c3d6da05-231198073&goal=0_5a773758ec-20c3d6da05-231198073

Katoaka, V. Y. (2010, Novembro). Passeios Aleatórios da Carlinha: uma atividade didática para o ensino de probabilidade. Anais do Encontro Regional de Matemática Aplicada e Computacional, São João Del-Rei, MG, Brasil, 1. Recuperado em 15 agosto, 2019, de https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/i-ermac/anais/minicursos/mc2.pdf

Kishimoto, T. M. (1996). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez.

Lee, J., & Hammer, J. (2011). Gamification in Education: What, How, Why Bother? Academic Exchange Quartely, 15(2), 1-5.

Leitão, S. (2000). The potential of argument in knowledge building. Human Development, 43(1), 332-360.

Leitão, S. (2007). Processos de construção do conhecimento: a argumentação em foco. Pro-posições, 18(3), 75-92.

Lima, A. J. A. (2015, Outubro). O lúdico em clássicos da filosofia: uma análise em Platão, Aristóteles e Rousseau, Anais do Congresso Nacional de Educação (CONEDU), Campina Grande, PB, Brasil, 2. Recuperado em 02 julho, 2019, de http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV045_MD1_SA6_ID6556_16082015154402.pdf

Lira, D. A., & Leitão. S. (2016). Apropriação da escrita argumentativa por estudantes universitários. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, 12, 64-83.

Lopes, C. A. S., & De Chiaro, S. (2019). Jogos cooperativos e argumentação: caminho para uma formação crítica e reflexiva de futuros licenciados em matemática. Anais do Congresso Nacional - IV Seminário Internacional Argumentação na Escola, Recife, PE, Brasil, 1.

Meira, L., Neves, A., & Ramalho, G. (2009, October). Lan House na escola: uma olimpíada de jogos digitais e educação. Anais do Brazilian Symposium on Games and Digital Entertainment, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 8. Recuperado em 28 março, 2019, de http://www.sbgames.org/papers/sbgames09/culture/full/cult17_09.pdf

Nascimento, J. L., & De Chiaro, S. (2015). Análise da produção argumentativa de jovens pré-acadêmicos. Tópicos Educacionais, 21(1), 189-225.

Oliveira, S. F. (2016). Ecos de práticas pedagógicas em textos produzidos por estudantes da educação básica na Olimpíada de Língua Portuguesa: um estudo de caso. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Pistori, M. H. C., & Banks-Leite, L. (2010). Argumentação e construção do conhecimento: uma abordagem bakhtiniana. Bakhtiniana, 1(4), 129-144.

Ramírez, N. L. de (2012). Densenvolvimento do pensamento reflexivo: avaliação da qualidade da argumentação em situação de debate crítico. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado em 03 maio, 2018, de https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/19133/5/DISSERTA%c3%87%c3%83O%20Ram%c3%adrez%20Rocancio%2c%20Nancy%20Lizeth.pdf

Santa-Clara, A., & Leitão, S. (2010). Escrita como Fórum Dialógico-Argumentativo de constituição do conhecimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(2), 394-402.

Santos, S. A. S. (2017). Promovendo a argumentação em sala de aula por meio da diversidade de discursos. Anais do Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, 1(8), 1-6.

Sherry, M. B., & Lawrence, A. M. (2019). Put Me in the Game: Video Games and Argument Writing for Environmental Action. English Journal, 108(6), pp. 69-76, retrieved 20 july, 2019, from http://www.ncte.org/library/NCTEFiles/Resources/Journals/EJ/1086-jul2019/EJ1086Jul19Put.pdf

Valença, A. M. S. (2019a). Argumentação, construção de conhecimentos e tecnologias digitais: encontros possíveis. Porto Alegre: Simplíssimo.

Valença. A. M. S. (2019b). Luka: argumentação e aprendizagem. Recuperado em 08 abril, 2020, de http://abre.ai/apresentacaosantiago

Vargas, G. C. de (2010). Argumentação em sala de aula: um estudo sobre a aprendizagem na interação entre pares. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado em 29 maio, 2018, de https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/8584/1/arquivo871_1.pdf

Walton, D. N. (1996). Argumentation schemes for presumptive reasoning. Hillsdale: Lawrence Erlbaum.

Weinberger, A., Stegmann, K., Fischer, F., & Mandl, H. (2006). Scripting argumentative knowledge construction in computer-supported learning environments. In F. Fischer, I. Kollar, H. Mandl, & J. M. Haake (Eds.). Scripting Computer-Supported Collaborative Learning: cognitive, computational and education perspectives (pp. 191-209). New York: Springer.