Argumentation in chemical teaching: Construction about the concept of atomic models

Taís de Oliveira Silva, Karla Kilma Correia, Camilla Maria dos Santos, Klebson Nelson da Silva

Resumo


A argumentação é um processo dialógico que tem por finalidade a construção do conhecimento. Logo, é compreendida como uma estratégia didática útil para o ensino de Química. Seu caráter dialógico e sua dinâmica possibilitam desenvolver a elaboração coletiva da aprendizagem. Por isso, torna-se ainda mais viável sua utilização no ensino da Química devido à abstração que essa ciência abarca em sua essência e que normalmente é ensinado com ilustrações que favorecem o aparecimento de obstáculos epistemológicos. Sendo assim, este trabalho tem por objetivo investigar de que forma a argumentação pode auxiliar os estudantes na compreensão do desenvolvimento dos modelos atômicos ao longo de debates sobre questões científicas, que envolvem práticas relacionadas ao processo de construção e reformulação de conceitos, ancoradas na perspectiva dialógicas proposta por Leitão (2011).
Palavras-chave:Argumentação,Ensinode Química, Modelos.

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, S. R., & Leitão, S. (2019). Estratégias argumentativas de universitários participantes de três diferentes práticas pedagógicas.Entre palavras,9(1), 36-57.Recuperado em 27 de março, 2019, de http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/view/1398/0

Broietti, F. C. D., & Barreto, S. R. G. (2011). Formação inicial de professores de química: a utilização dos relatórios de observação de aulas como instrumentos de pesquisa.Semina: Ciências Exatas e Tecnológicas,32(2), 181-190. Recuperado em 28 de abril, 2019, de http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semexatas/article/view/8391

Chafe, W. (1986). Evidentiality in English conversation and academic writing. Evidentiality: The linguistic coding of epistemology,20, 261-272.

Correia, K.K, Santos, C.M, Silva, K.N.,& Silva, T.O. (2018). Argumentação no ensino de química: o que os alunos de ensino médio entendem sobre modelos atômicos [completo]. Congresso Nacional e seminário internacional- Argumentação na Escola (pp.95-102). Recife, Brasil, 4.

Costa, A. (2008).Desenvolver a capacidade de argumentação dos estudantes: um objectivo pedagógico fundamental. Revista Iberoamericana de Educación, 46(5), 1-8. Recuperado em 04 de abril, 2019,de https://rieoei.org/RIE/article/view/1951

Chiaro, S. D., & Aquino, K. A. D. S. (2017). Argumentação na sala de aula e seu potencial metacognitivo como caminho para um enfoque CTS no ensino de química: uma proposta analítica.Educação e Pesquisa,43(2), 411-426. Recuperado em 13 de março, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/ep/v43n2/1517-9702-ep-43-2-0411.pdf

De Chiaro, S., & Leitão, S. (2005). O papel do professor na construção discursiva da argumentação em sala de aula.Psicologia: reflexão e crítica,18(3), 350-357. Recuperado 03 de maio, 2019,de http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a09v18n3.pdf

Koch, I. G. V. (2008).A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto.

Kuhn, D. (1993). Science as argument: implications for teaching and learning scientific thinking. Science education, 77(3), 319-337. Recuperado em 13 de abril, 2019 de https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/sce.3730770306

Leitão, S. (2007). Argumentação e desenvolvimento do pensamento reflexivo.Psicologia: Reflexão e Crítica,20(3), 454-462. Recuperado em 21 de março, 2019de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-79722007000300013&script=sci_abstract&tlng=pt

Leitão, S. (2011). O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In S. Leitão, & M. C. Damianovic (Orgs.).Argumentação na escola: o conhecimento em construção. E-disciplinas. Campinas, SP: Pontes Editores(Cap. 1, pp. 13-46). Campinas, SP: Pontes Editores. Recuperado em 12 de maio, 2019, de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/87274/mod_resource/content/1/O%20lugar%20da%20argumenta%C3%A7%C3%A3o%20na%20constru%C3%A7%C3%A3o%20do%20conheicmento%20na%20sala%20de%20aula.pdf

Marcuschi, L. A. (2001). Análise da Conversação. São Paulo: Ática. Recuperado em 29 de maio, 2019,de https://www.passeidireto.com/arquivo/35764056/a-analise-da-conversacao-marcuschi

Pezarini, A. R., & Maciel, M. D. (2018). As dimensões da argumentação no ensino de ciências em pesquisas de 2007 a 2017: um olhar para a caracterização e para as ferramentas metodológicas para estudar esta temática.Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas,14(32), 61-77. Recuperado em 23 de maio, 2019,de https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/6177

Santos, C.M, Correia, K. K, Silva, K.N., & Silva, T.O. (2019, mayo). Argumentação: uma proposta didática para compreensão de modelagem. Actas de las Jornadas de Enseñanza e Investigación Educativa en el campo de lãs Ciencias Exactas y Naturales. La Plata, B. A., Argentina,5. Recuperado em 19 de agosto, 2019, de http://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/library?a=d&c=eventos&d=Jev11910

Schwarz, B. B., & De Groot, R. (2007). Argumentation in a changing world. International Journal of Computer-Supported Collaborative Learning, 2(2-3), 297-313. Recuperado em 23 de abril, 2019, de https://link.springer.com/article/10.1007/s11412-007-9020-6