Argumentation in child education: strategies to promote the development of argumentation in early childhood education

Angelina Nunes de Vasconcelos, Lorena de Melo Barbosa

Resumo


O presente artigo discute ações pedagógicas que promovem o desenvolvimento da argumentação na educação infantil, compreendendo sua importância para os processos de construção do conhecimento e o desenvolvimento do pensamento reflexivo. A argumentação é compreendida enquanto ação discursiva que surge a partir da oposição entre pontos de vista distintos, possibilitando a ponderação de ideias. Os participantes são alunos de 3 a 6 anos do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) da cidade de Maceió–AL. A partir de vídeogravações de situações de intervenção com argumentação em sala de aula, especialmente leitura de histórias e jogos em pares, buscando fomentar a produção e sofisticação de ações argumentativas pelas crianças. Enquanto resultados apontamos como a argumentação possibilita a aprendizagem e reconstrução de conceitos. Ressalta-se o papel dos adultos enquanto mediadores no desenvolvimento da argumentação.
Palavras-chave:Argumentação,Educação infantil, Desenvolvimento infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, G. N. M. de. (2009). Inferência de predição e argumentação em uma atividade de leitura de histórias em sala de aula. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Bakhtin, M. (1997). Estética da criação verbal. (Tradução de Maria ErmantinaGalvão G. Pereira, 2a ed.).São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M., &Volochinov, V. N. (2009).Marxismo e filosofia da linguagem(Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi, 13a ed.). São Paulo: Hucitec.

Basílio, L. R. M. (2008). A emergência de condutas argumentativas de oposição na brincadeira infantil em ambiente virtual. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado em 19 de junhode 2020https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8195

Brasil, Ministério da educação. (2018). Base nacional comum curricular. Brasília, DF. Recuperado em 19 de junhode 2020de http://basenacionalcomum.mec.gov.br

Leitão, S., & Banks-Leite, L. (2006). Argumentação na linguagem infantil: algumas abordagens. In A. Del Ré (Org.).Aquisição da linguagem: uma abordagem psicolinguística (Cap. 2, pp. 45-62).São Paulo: Contexto.

Leitão, S., & Ferreira, A. P. M. (2006). Argumentação infantil: condutas opositivas e antecipação de oposição. In L. Meira,&A. G. Spinillo (Orgs.).Psicologia cognitiva: cultura, desenvolvimento e aprendizagem(Cap. 9, pp. 236-258). Recife: UFPE.

Leitão, S. (2007). Argumentação e desenvolvimento do pensamento reflexivo. Psicologia: reflexão e crítica,20(3), 454-462.

Leitão, S. (2008). Auto-argumentação na linguagem da criança: momento crítico na gênese do pensamento reflexivo. In A. Del Ré,&S. Fernandes (Orgs.).A linguagem da criança: sentido, corpo e discurso.São Paulo: Cultura Acadêmica.

Leitão, S. (2011). O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In S. Leitão,& M. C.Damianovic (Orgs.).Argumentação na escola: o conhecimento em construção(Cap. 1, pp. 13-46)Campinas: Pontes Editores.

Leitão, S. (2012, novembro). Contribuições de Bakhtin e do círculo para os estudos em aquisição da linguagem. Encontro sobre linguagem da criança. Colóquio sobre alfabetização do núcleo de ensino de Araraquara: sentido, corpo e discurso, Araraquara, SP, Brasil,2.

Moro, C., & Rodriguez, C. (2008). Production of signs and meaning-making process in triadic interaction at the prelinguistic level: a task for sociocultural analysis – the case of ostension. In E. Abbey,&R. Diriwächter (Orgs.). Innovating genesis: microgenesis and the constructive mind in action. (pp.205-225). Greenwich: Information Age Publishing (InfoAge).

Souza, L. V. (2003). As proezas das crianças em textos de opinião. São Paulo: Mercado de Letras.

Vasconcelos, A. N. de, &Leitão, S. (2016).Desenvolvimento da protoargumentação na interação adulto-bebê. ALFA: revista de Linguística,60(1), 119-146. Recuperado em 19 de junhode 202019 de junhode 2020de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-57942016000100119&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

Vasconcelos, A. N. de. (2017).Emergência da negação e prosódia: estudo de casos de uma criança brasileira e uma criança francesa. Tese de doutorado, Universidade estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Recuperado em 19 de junhode 2020de: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/322539

Vieira, A. J. (2012). Condutas argumentativas na fala infantil: um olhar sobre a constituição da subjetividade. InA. Del Ré,&M. Romero, (orgs.). Na língua do outro: estudos interdisciplinares em aquisição de linguagens. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora.

Vygotsky, L.S. (1998). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.