Chemistry activity to discuss social and environmental issues in the Amazon rainforest through argumentative movements

Marcondes Luiz da Silva Azevedo

Resumo


Com foco no pensamento crítico e reflexivo dos alunos e o engajamento destes com temas socioambientais, objetivou-se incrementar os movimentos argumentativos envolvendo aspectos cotidianos, conceituais e técnicos relacionados ao ensino de ciências por meio do debate entre os alunos. Para tanto, foi realizada uma Audiência Pública Simulada (APS) com o tema: Instalação da mineração na região do Baixo Amazonas, em Óbidos-PA, rica em Bauxita (Óxido de alumínio). A avaliação do debate foi baseada na Tríade Argumentativa: Argumento – Contra Argumento – Resposta (A-CA-R), e nos Esquemas argumentativos de Walton (EAW). Como principais resultados, a estratégia de ensino se mostrou útil à produção de argumentos pelos alunos frente às ações socioambientais que o homem impõe ao meio ambiente.
Palavras-chave: Questões socioambientais, Audiência Pública Simulada, Tríade argumentativa (A-CA-R), Esquemas Argumentativos de Walton.

Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo, M. L. S., & Silva, M. G. L. (2018). Uma proposta para desenvolver a Habilidade Cognitivo-Linguística (Explicar) em aulas de química utilizando a estratégia POE (Prever-Observar-Explicar). Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico (EDUCITEC),4(8), 615-632.

Azevedo, M. L. S., Araújo, I. A. F., & Pinheiro, A. P. Audiência pública simulada: uma ferramenta multidisciplinar para o ensino de Ciências envolvendo questões sociocientíficas e ambientais na região Amazônica. Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico (EDUCITEC), v. 6, p. e119720-e119720, 2020.

Bakhtin, M. (1997). Os gêneros do discurso. In M. Bakhtin (Org.). Estética da Criação Verbal. (pp. 277-326). São Paulo: Martin Fontes.

Blair, J. A. (1996). The possibility and actuality of visual arguments. Argumentation and Advocacy.33, 23-39.

Blair, J. A., & Johnson, R. H. (2017, Dezembro). Lógica informal: uma visão geral. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, 14, 195-215. Recuperado e 2017, de http://periodicos.uesc.br/index.php/eidea/article/view/1755/1383

César, J. B. M.(2011). A audiência pública como instrumento de efetivação dos direitos sociais. Revista do Mestrado em Direito da Universidade Católica de Brasília: Escola de Direito, 5(2), 356-384.

Cesco, S. (2011). Interdisciplinaridade e temas socioambientais. Estudos Avançados, 25(72), 327-330.

Chiaro, S., & Leitão, S. (2005). O papel do professor na construção discursiva da argumentação em sala de aula. Psicologia: reflexão e crítica, 18(3), 350-357.

Chion, A. F. R., Meinardi, E.,& Adúriz-Bravo, A. (2014). La argumentación científica escolar: contribución a la comprensión de un modelo complejo de salud y enfermedad. Ciênc. Educ., 20(4), 987-1001.

Driver, R., Newton, P. E., & Osborne, J. (2000). Establishing the Norms of Scientific Argumentation in Classrooms. Science Education, 84 (3), 287-312.

Duschl, R. A.,& Ellenbogen, K.(1999). Understanding dialogic argumentation among middle school science students. In: The Annual Conference of American Educational Research Association. Montreal. Comunicação oral.

Eemeren, F. H. van, Grootendorst, R. & Kruiger, T. (1987). Handbook of argumentation theory.Dordrecht,Holland: Foris.

Ibraim, S.,Mendonça, P.,& Justi, R. (2013). Contribuições dos Esquemas Argumentativos de Walton para análise de argumentos no contexto do ensino de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências,13(1), 159-185.

Jiménez-Aleixandre, M. P. (2010). Ideas clave: Competencias en argumentación y uso de pruebas. Barcelona: Graó.

Jiménez-Aleixandre, M. P. & Gallastegui, J. R. (2011). Argumentación y uso de pruebas: construcción, evaluación y comunicación de explicaciones en física y química. In A. Caamaño (Coord.).Didáctica de la Física y la Química (Cap. 6, pp. 121-142). Barcelona: Graó.

Jorge, A. S. & Puig, N. S.(2000). Enseñar a argumentar científicamente: un reto de las clases de ciencias. Enseñanza de las Ciencias, 18(3), 405-422.

Leitão, S. (1999). Contribuições dos estudos contemporâneos da argumentação a uma análise psicológica de processos de construção de conhecimento em sala de aula. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 51(4),91-109.

Leitão, S. (2000, Outubro). A construção discursiva da argumentação em sala de aula. Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia, Brasília, Brasil, 30.

Leitão, S., & Almeida, E. S. (2000). A produção de contra-argumentos na escrita infantil. Psicologia: Reflexão e critica,13(3), p. 351-361.

Leitão, S. (2011). O Debate Crítico como contexto de desenvolvimento do pensamento reflexivo. Projeto de pesquisa. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Lira, D. A.,& Leitão, S.(2016). Apropriação da Escrita Argumentativa por Estudantes Universitários. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, 12, 64-83.

Martins, M.,Ibraim, S. S.,&Mendonça, P. C. C. (2016). Esquemas Argumentativos de Walton na Análise de Argumentos de Professores de Química em Formação Inicial. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências,18(2), 49-72.

Mendonça, P. C. C., & Justi, R. (2013). Ensino-Aprendizagem de Ciências e Argumentação: Discussões e Questões Atuais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 13(1), 187-216.

Monteiro, L. C. R. (2018). A "audiência pública simulada" em sala de aula como prática para abordar conflitos territoriais. Revista de Geografia do Colégio Pedro II, 3(6), 81-90.

Mozzer, N. B., Justi, R., & Correa, H. L. S. (2010, Abril). A nova dialética e os esquemas de argumento de Walton: um estudo sobre sua aplicabilidade no estudo da argumentação em sala de aula de ciências. Anais do Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais, Belo Horizonte, MG, Brasil, 15.

Ribeiro, W. C. (2010). Teorias socioambientais: em busca de uma nova sociedade. Estudos avançados, 24(68), 9-13.

Sá, L. P., & Queiroz, S. L. (2007). Promovendo a Argumentação no Ensino Superior de Química. Quimica Nova, 30(8), 2035-2042.

Sasseron, L. H.(2008). Alfabetização científica no ensino fundamental: estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Toulmin, S. E. (2006). Os usos do argumento. São Paulo: Martins Fontes.

Vieira, R. D., & Nascimento, S. S. (2009). Uma visão integrada dos procedimentos discursivos didáticos de um formador em situações argumentativas de sala de aula. Ciência & Educação, 15(3), 443-457.

Walton, D. N. (1996). Argumentation Schemes for Presumptive Reasoning. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum.

Walton, D. N. (2008). Basic tools in the state of the art.In D. N. Walton (Org.). Argumentation schemes (pp.7-42). Cambridge: Cambridge University Press.

Walton, D. N., Reed, C., & Macagno, F. (2008). Argumentation schemes. Cambridge: Cambridge University Press.