Students 'views on critical debate as pedagogical practice in higher education

Phagner Ramos, Selma Leitão

Resumo


Este estudo avalia percepções de 98 estudantes do ensino superior sobre o uso do Modelo do Debate Crítico (MDC), como prática pedagógica. Utilizou-se um questionário (17 perguntas) focalizando três blocos de questões: 1. Perguntas gerais, 2. Estrutura/organização da DIP e 3. Conteúdos argumentativos. Registram-se a avaliação positiva da disciplina e sua percepção como prática pedagógica diferenciada, modelo ativo de aprendizagem. A atividade avaliativa é vista como trabalhosa e as oficinas necessitam de maior atenção quanto à dinâmica dos monitores. A argumentação da mesma forma apresenta-se como um fator significativo na trajetória dos estudantes. Entretanto, os estudantes se veem com dificuldade em responder aos contra-argumentos. Recomenta-se, portanto, construir maior suporte para a atividade avaliativa, investir na formação dos monitores e atentar-se para atividades que incentivem a construção de respostas aos contra-argumentos.
Palavras-chave: argumentação, pensamento crítico-reflexivo, metodologias ativas.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguilar, C. A., Jr, & Nasser, L. (2014). Estudo sobre a Visão do Professor em Relação à Argumentação e Prova Matemática na Escola. Bolema [online], 28(50), 1012-1031. ISSN 0103-636X. http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v28n50a01.

Albuquerque, T. (2008). Do Abandono à permanência num curso de ensino superior. Sísifo/Revista de ciências da educação, 7(1), 2008. ISSN: 1646‑4990. Recuperado em 18 de agosto de 2020 de http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/115/189

Almeida, D. M. de (2016). Análise da trama de argumentos na obra "Meditações" cartesianas na construção da ideia do "Cogito": uma proposta para um modelo didático para o ensino de Filosofia. Educar em revista [online], 62(1), 295-308. ISSN 0104-4060. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.46423.

Amaral, S. R. (2016). Estratégias argumentativas de universitários: estudo comparativo de três práticas pedagógicas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. Recuperado em 18 de agosto de 2020 de < https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18864 >

Azevedo, I. (2016). Capacidades argumentativas de professores e estudantes da educação básica em discussão. In E. L. Piris, & M. Olimpio-Ferreira (Orgs.). Discurso e Argumentação em múltiplos enfoque (pp. 167-190). Coimbra, Portugal: Grácio Editor.

Berbel, N. A. N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 32(1), 25-40.

Bertini, L. de F. (2015). Ensino de Matemática nos Anos Iniciais: aprendizagens de uma professora no contexto de tarefas investigativas. Bolema [online], 29(53), 1201-1223. ISSN 0103-636X. http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v29n53a20.

Bona, A. S. de & Souza, M. T. C. C. de (2015). Aulas investigativas e a construção de conceitos de matemática: um estudo a partir da teoria de Piaget. Psicologia USP [online], 26(2), 240-248. ISSN 0103-6564. http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420130025.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília.

Brasil (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB. Recuperado em 18 de agosto de 2020, de http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file

Brasil (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Casa Civil.

Brasil (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC. Recuperado em 18 de agosto de 2020, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/

Carlino, P. (2005). Escribir, leer, y aprender en la universidad: una introducción a la alfabetización académica. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Castro, J. L. G. de, & Leitão, S. (2011). Auto-argumentação e reflexão na aula de História. Anais do Congresso da Iniciação Científica da UFPE, Recife, PE, Brasil, 19.

Fiad, R. (2011). A escrita na universidade. Revista da ABRALIN, 10(4), 357-369. doi:http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v10i4.32436

Fuentes, C. (2011). Elementos para o Desenho de um Modelo de Debate Crítico na Escola. In S. Leitão, & M. C. Damianovic (Orgs.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção (pp.225-250). Campinas. Pontes.

Govier, T. (2010). A practical study of argument. Wadsworth: Cengalge Learning.

Gunther, H. (2003). Como elaborar um questionário. Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.

Leitão, S. (2007). Processos de construção do conhecimento: a argumentação em foco. Pro-Posições, 18(3), 75-92.

Leitão, S. (2011). O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In S. Leitão, & M. C. Damianovic (Orgs.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção (pp.13-46). Campinas: Pontes.

Leitão, S. (2012). O Trabalho de Argumentação em Ambientes de Ensino-aprendizagem: um desafio persistente. Uni-Pluri/versidad, 12(3), 23-37.

Lira, D. (2015). Análise da argumentação de estudantes universitários em ensaios acadêmicos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado em 18 de agosto de 2020, de https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/17682/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20DOWGLAS%20Entregar%202.pdf

Mâcedo, G. (2014). Habilidades Argumentativas: do debate crítico à argumentação cotidiana. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Mâcedo, G. (2018). Argumentação na Educação: desenvolvimento de práticas socialmente compartilhadas de regulação do pensamento. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil..

Macêdo, G. F., & Ramírez, N. L. (2018). Formando mediadores de argumentação: uma experiência de estágio docência. Psicologia Escolar e Educacional, 22(3), 647-651. https://doi.org/10.1590/2175-35392018038011

Marin, M. J. S., Lima, E. F., Paviotti, A. B., Matsuyama, D. T., Silva, L. K. D., Gonzalez, C., Druzian, S., Ilias, M. (2010). Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(1), 13-20. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000100003

Moran, J. M. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In C. A. de Souza, & O. E. T. Morales (Orgs.). Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens (Vol. 2, pp. 15-33). Ponta Grossa: UEPG. Recuperado em 18 de agosto de 2020 de http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf

Ramírez, N. (2012). Desenvolvimento do pensamento reflexivo: avaliação da qualidade argumentativa da argumentação em situação de debate crítico. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Ramírez, N. (2018). Efeitos do Debate Crítico na redução da polarização do discurso argumentativo em sala de aula. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Riolfi, C. R., & Costa, R. de O. (2018). Estrutura argumentativa em textos de alunos brasileiros. Cadernos de Pesquisa [online]. 48(169), 776-800. ISSN 0100-1574. http://dx.doi.org/10.1590/198053145106.

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e Argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências [online], 17, 49-67. ISSN 1415-2150. http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201517s04

Silva, T. M. (2006) Estudo comparativo de competências argumentativas de universitários participantes e não participantes do modelo de debate crítico. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Silva, W. M., Velasco, P. D. N., & Zanotello, M. (2016). O debate na perspectiva da lógica informal: uma abordagem para análise da argumentação em aulas de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências [online]. 18(2), 99-127. ISSN 1415-2150. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172016180205

Souza, D. A. de (2012). Desenvolvimento da produção argumentativa: um estudo de transformações na estrutura da argumentação de estudantes universitários em situação de “Debate Crítico”. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Taglieber, G. M. do C., & Müller, J. L. (2013). Timidez: alunos tímidos. Revista Eventos Pedagógicos, 4(2), 68-76. Recuperado em 18 de agosto de 2020, de http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/viewFile/1269/940

Teixeira, F. M. (2015). É possível argumentação sem controvérsia? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências [online], 17, 187-203. ISSN 1415-2150. http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201517s10.