Production of Points of View by students at Middle School

Marcia Oliveira Moura, Isabel Cristina Michelan de Azevedo

Resumo


Este artigo tem por referência uma pesquisa, concluída no Profletras e circunstanciada em uma turma 9º ano do ensino fundamental, que organizou um percurso pedagógico destinado a orientar os discentes a elaborar pontos de vista consistentes em torno de temas polêmicos. Para isso, com base em uma pesquisa bibliográfica multidisciplinar, elaborou-se uma sequência de atividades que pode ser replicada, com as devidas adequações, em outros espaços educativos. Ao final do trabalho, a pesquisadora produziu vídeos, incluindo um tutorial, que servem de apoio para o trabalho em classe. Os resultados apontam que, após a realização das atividades, os estudantes ampliaram o repertório no uso dos operadores argumentativos, estabelecendo relações consistentes com os propósitos enunciativos e souberam variar a aplicação de recursos argumentativos. Consequentemente, os estudantes alcançaram o objetivo de elaborar pontos de vista próprios ao refletir, em conjunto, acerca de discursos e comportamentos decorrentes das relações sociais.
Palavras-chave: Argumentação, empoderamento feminino, ponto de vista.

Texto completo:

PDF

Referências


Breton, Ph. (1999). A argumentação na comunicação. Bauru: EDUSC.

Carvalho, D. (2011). A conquista da cidadania feminina. Revista Multidisciplinar da Unesp. Saber acadêmico, 11, 143-153.

Denzin, N. & Lincoln, Y. (2006). A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In N. Denzin, & Y. Lincoln (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. (pp. 15-41) Porto Alegre: Artmed.

Fiorin, J. L. (2015). Argumentação. São Paulo: Contexto.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. L. Dreyfus, & Rabinow, P. (Orgs.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. (pp. 231-239) Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (1999). A ordem do discurso: aula inaugural no Cóllege de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017) [Cidades e Estados: Japaratuba/SE]. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/se/japaratuba.html

Koch, I. (2017). Escrever e argumentar. São Paulo: Contexto.

LIMA, C. M. B. M.; SOUZA, M. D. M.; CHAVES, L. M. N. (2016). O ensino da língua portuguesa na perspectiva do letramento: uma proposta de análise discursiva do gênero letra de música popular brasileira. Revista Philologus, Anais da XI JNLFLP, Rio de Janeiro, ano 22, n. 66 Supl., set./dez. 2016.

Magalhães, M. (2013, novembro). A argumentação em redações escolares. Anais do SILEL, Uberlândia, MG, Brasil, 4.

Meyer, M. (1982). Lógica, linguagem e argumentação. Lisboa: Editorial Teorema, LDA.

Meyer, M. (1991). Questões de retórica: linguagem, razão e sedução. Lisboa: Edições 70.

Pontecorvo, C., & Sterponi, L. (2002). Learning to Argue and Reason Through Discourse in Educational Settings. In: G. Wells, & Claxton, G. (Eds.), Learning for Life in the 21st Century: Sociocultural Perspectives on the Future of Education. (pp. 127-140). Oxford, UK: Blackwell Publishers.

Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras) (2019). Portal do Governo Brasileiro. Fundação Capes. Recuperado de: https://tinyurl.com/wfz76gg.

Rabatel, A. (2016). Homo Narrans: por uma abordagem enunciativa e interacionista da narrativa: pontos de vista e lógica da narração – teoria e análise. São Paulo: Cortez.

Spivak, G. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.