A discussion on the concepts of goal, skill and competence in the high school BNCC

Leonardo Ferreira Rufino, Saulo José de Barros Júnior, Kátia Silva Cunha, Kátia Calligaris Rodrigues

Resumo


No Brasil, o planejamento do currículo da Educação Básica é sempre muito discutido por teóricos como Lopes e Macedo por exemplo, uma dessas discussões é referente aos conceitos de objetivos, habilidade e competências e a confusão na prática e no uso desses conceitos. Outro alvo de críticas no campo do currículo é o novo documento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), pois passou a nortear os currículos de escolas de todo país. Assim, este trabalho busca uma análise comparativa entre a forma como os objetivos, habilidades e competências são utilizadas na BNCC e como esses se apresentam nas teorias que iniciaram e ainda discutem sobre estas definições. Utilizando as visões de Tyler, Perrenoud; outros autores que os sucedem, é que estabeleceremos uma relação sobre como as definições apresentadas no documento da BNCC referente a esses conceitos, possibilitam o levantamento de críticas ao que hoje é exigido dos alunos de ensino básico brasileiro.
Palavras-chave: Habilidades, Objetivos, Competências, Currículo, BNCC

Texto completo:

PDF

Referências


Baker, E & Popham, J. (1976). Como ampliar as dimensões dos objetivos de ensino. Porto Alegre: Globo.

Berger Filho & Ruy Leite. (1998). Formação Baseada em Competências numa Concepção Inovadora para a Formação Tecnológica. Anais do V Congresso de Educação Tecnológica dos Países do MERCOSUL. Pelotas: MEC/SEMTEC/ETFPEL.

Kuhn, Thomas. S. (1998). A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Editora Perspectiva S.A.

Lopes, A. C & Macedo, E. (2011). Teorias de currículo. 1. ed. Espírito Santo: Cortez.

Leonardo Ferreira Rufino| Saulo José de Barros Júnior| Kátia Silva Cunha| Kátia Calligaris Rodrigues

Currículo & Docência | Vol.02 Nº02. | Ano 2020 |

p. 22

Bloom, B. S. et al. (1956). Taxonomy of educational objectives. New York: David Mckay. 1,

Coll, César. (1997). Psicologia e currículo. São Paulo: Ática.

Comissão Europeia. Direção Geral de Educação e Cultura. (2004, novembro). Programa de Trabalho ‘Educação e Formação 2010’. Grupo de Trabalho B: “Competências Chave”. Um marco de referência europeu.

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de administração contemporânea, 5, n. SPE, pp. 183-196.

Hager, P.; Gonzci, A. (1996). What is competence? Medical Teacher, Basingstoke, 18 (1), pp. 1-8.

Kliebard, H. M. (2001, dezembro). Os princípios de Tyler. Currículo sem fronteiras, 11 (2), pp. 23-35.

Libâneo, J. C. (1990). Didática. São Paulo: Cortez.

Le Boterf, G. (2000). Ingeniería de competencias. Barcelona: Gestión.

OECD. (2005) The Definition and Selection of Key Competencies: Executive Summary. [Definição Seleção de Competências-chave: Resumo Executivo]. Organisation for Economic Cooperation and Development. Paris.

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul

Silva, G. B. & Felicetti, V. L. (2014, junho). Habilidades e competências na prática docente: perspectivas a partir de situações-problema. Porto Alegre: Educação Por Escrito, 5 (1), pp. 17-29.

Spencer, L. M. & Spencer, S. M. (1993). Competence at work: models for superior performance. New York: John Wiley & Sons.

Tardif, J. (2006) L’évaluation dês compétences: documenter le parcours de développement. Montréal: Chenelière Education.

Tyler, R. W. (1993). Princípios básicos de currículos e ensino. 7. ed. Rio de Janeiro: Globo.

Zarifian, P. (1999). Objectif compétence. Paris: Liaisons.