Criteria for analysis of the national common base of mathematics first version

Marcelo de Oliveira Dias

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar e discutir, sob o prisma de alguns critérios pós-modernos a construção de um currículo de Matemática numa visão pós-moderna, a primeira versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que emerge no país e foi apresentada para a consulta pública, com vistas ao debate pela comunidade escolar e especialistas da área. A análise do documento inicial, evidenciou a necessidade de reconstrução da realidade por meio da interdisciplinaridade, trabalhando matematicamente de forma integrada e não compartimentada. A proposta também revelou-se reducionista, ligada à matrizes de avaliação e demanda reflexões contínuas sobre políticas de formação docente, especificidades locais, bem como as escolhas dos conhecimentos considerados essências para a atual geração.
Palavras-chave:currículo de Matemática, visão pós-moderna, base nacional comum curricular.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil.(1998). Ministério da Educação. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros CurricularesNacionais: Matemática. 3º e 4º ciclos. MEC/SEF, 148 p.

Brasil. (2000).Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: SEMTEC/MEC, 2000.109 p.

Brasil. (2015). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Consulta Pública. Matemática. MEC/Undime/Consed, 302p.

Dias, M. O. (2016). Tendências em Educação Matemática: Percursos curriculares brasileiros e paraguaios. Editora Appris, 1ª Ed, Curitiba-PR. 245p.

Doll Jr., W. E. (1997). Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gonçalves, H. J. L.(2012). A educação profissional e o ensino da Matemática: conjunturas para uma abordagem interdisciplinar. Tese (Doutorado) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 173p.

Gonçalves, H. J. L.; Pires, C. M. C. (2014). Educação Matemática na educação profissional de nível médio: análise sobre possibilidades de abordagens interdisciplinares. Bolema [online]. v. 28, n. 48, p. 230-254.

Maioli, M.(2012). Os significados da contextualização na Matemática do Ensino Médio. Tese (Doutorado). Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

National Council of Teachers of Mathematics. (2015). Principles to actions: ensuring mathematical success for all. Reston, VA: NCTM.

Pires, C.M.C.(2008). Formulações basilares e reflexões sobre a inserção da Matemática no currículo visando a superação do binômio máquina e produtividade. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 6, p. 29-61.

Sacristán, J. G.(2000). O Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed.

Skovsmose, O. (2008) Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. 4. ed., Campinas: Papirus.

Silva, M.A. (2009). Currículos de Matemática no Ensino Médio: em busca de critérios para escolha e organização de conteúdos. Tese (Doutorado em Educação Matemática), Pontíficia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Valle, J. C. A., Conrado, A. L. (2019, out/dez). Alteridade nos currículos de Matemática: a inversão do vetor e a ação dos atores na escola. Teias, 20(59), 106-121.

i Portal Movimento pela Base Nacional Comum: http://movimentopelabase.org.br/a-base/

ii D.O.U. nº 132, publicado em 14 de julho de 2015, seção 2, artigo 1º por meio da Portaria nº 19, de 10 de julho 2015.