O que há num Domínio Pedagógico?

Kazue Saito Monteiro de Barros

Resumo


Ao longo dos últimos anos, analistas dos gêneros discursivos têm utilizado o termo domínio discursivo em seus trabalhos. Muito freqüentemente, o conceito não é explicitado, parecendo ser assumido como auto-explicativo. Visando, como um objetivo maior, caracterizar melhor o chamado domínio pedagógico, este trabalho discute os critérios que têm sido mais utilizados para sua caracterização.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Bakhtin, M.M. 1979. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. M. Lahud & F. Oliveira. São Paulo: Hucitec.

______. 1992. Estética da Criação Verbal. Trad. M.E.G.G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes.

Bazerman, C. 2005. Gêneros Textuais, Tipificação e Interação. Org. A.

Dionísio & J. Hoffnagel. Trad. J. Hoffnagel. São Paulo: Cortez.

Bernstein, B. 1990. Class, Codes and Control. Vol. 4: The Structuring of

Pedagogic Discourse. London: Routledge.

______. 1996 Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research,

critique. London: Taylor & Francis.

Chouliaraki, L. 1999. Regulative practices in a ´progressivist´ classroom: ´good habits as a ´disciplinary technology`. Multilingual Matters & Channel View Publications. Volume 10 (2): 103-108.

Drew, P. & Heritage, J. (eds). 1992. Talk at Work. Interaction in Institutional

Settings. Cambridge: CUP.

Edmondson, W. 1985. Discourse worlds in the classroom and in foreign

language learning. Studies in Second Language Acquisition, 7: 159-168.

Ellis, R. 1990. Instructed Second Language Acquisition. Oxford: Blackwell.

Hall, C., Sarangi, S. & Slembrouck, S. 1999. Special representation and the categorization of the client in social work discourse. Text 14 (4): 539-570.

Hesler, S. & Francis, D. 2001. Is institutional talk a phenomenon? Reflections on ethnomethodology and applied conversational analysis. In A. McHoul & M. Rapley (eds), How to Analyse Talk in Institutional Settings. A casebook of Methods. London: Continuum, pp. 206-217.

Johns, A. M. 1995. Genre and pedagogical purposes. Journal of Second

Language Writing, 4 (2): 181-190.

Lave, J. & Wenger, E. 1991. Situated Learning. Cambridge: CUP.

Marcuschi (em prep). Gêneros Textuais: Constituição e Práticas Sóciodiscursivas. (versão mimeo de 2005)

McHoul, A. 1978. The organization of turns at formal talk in the classroom. Language in Society (7): 183-213.

Maynard, D. 1991. Interaction and asymmetry in clinical discourse. American Journal of Sociology, Vol. 97, No. 2 (Sep., 1991): 448-495.

Scollon, R., Bhatia, V., Li, D., Yung, V. 1999. Blurred Genres and Fuzzy

Identities in Hong Kong Public Discourse: Foundational Ethnographic Issues in the Study of Reading. Applied Linguistics. 20/1:22-43

Waring, H.Z. 2002. Displaying substantive recipiency in seminar discussion. Research on Language and Social Interaction, 35(4): 453-479.

Wenger, E. 1997. Communities of Practice. Learning, Meaning, and Identity. Cambridge: CUP.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.