Entre a Análise do Discurso e a Psicanálise, a Verdade do Sujeito — Análise de Narrativas Orais

Leda Verdiani Tfouni, Marcella Marjory Massolini Laureano

Resumo


Partindo do conceito de interpretação, nosso objetivo é promover possíveis articulações entre duas disciplinas indiciárias, a análise do discurso francesa (AD) e a psicanálise lacaniana. Os trabalhos de Pêcheux em AD e os de Lacan em psicanálise trazem uma posição distinta para conceitos cruciais desta pesquisa. Completando a discussão teórica, realizamos a análise de narrativas orais de ficção, com o intuito de apontar como a interpretação em AD e em psicanálise podem contribuir para o avanço do paradigma indiciário e também para fazer retornar na análise de dados a teoria, numa constante checagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, L.1983. Aparelhos ideológicos do estado. Rio de Janeiro: Graal.

AUTHIER-REVUZ, J.1982. Hétérogénéité montrée et Hétérogénéité constitutive: élements pour une approche de l’autre dans le discours. DRLAV – Revue de linguistique, 26.

CARREIRA, A. F.1997. Era uma vez Três Sereias: análise de narrativas de crianças de rua. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, FFCLRP, USP, Ribeirão Preto.

______. 2000. Subjetividade e autoria: o sujeito como vacilo do “eu”? Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, FFCLRP, USP, Ribeirão Preto.

COURTINE, J. J. 1982. Définition d’orientations théoriques et construction de procedures en analyse du discours. Revue Philosophiques, v. IX, numéro 2, octobre.

FOUCAULT, M. 1996. A ordem do discurso. Rio de Janeiro: Loyola.

GADET, F. 1990. Saussure — une science de la langue. Paris: Presses

Universitaires Françaises.

GINZBURG, C.1989. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: ______. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras.

HENRY, P. 1992. A ferramenta imperfeita — língua, sujeito e discurso. Campinas: Unicamp.

HENRY, P. ; MOSCOVICI, S.1968. Problèmes de l’analyse de contenu. Langages, n. II, septembre.

LACAN, J. 1996. O seminário — livro 20 — mais ainda (1972-1973). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. 1998a. Subversão do sujeito e dialética do desejo (1960). In: _____. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. 1998b.A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud (1957). In: ______. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. 1998c.A direção do tratamento e os princípios de seu poder (1958). In: ______. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. 1998d. O inconsciente freudiano e o nosso (1964). In: ______. O seminário — livro 11 — os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. 1998e. O seminário — livro 11 — os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1963-1964). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

MAINGUENEAU, D. 2004. Conceito de heterogeneidade mostrada/constitutiva. In: CHARADEAU, P.; MAINGUENEAU, D. (orgs.) Dicionário de análise do discurso (pp. 261-262). São Paulo: Contexto.

MALDIDIER, D. 2003. A inquietação do discurso. Campinas: Pontes.

MILNER, J-C.1987. O amor da língua. Porto Alegre: Artes Médicas.

MOLENA, C. 2003. A relação com o feminino em narrativas de duas crianças de rua. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, FFCLRP, USP, Ribeirão Preto.

MORAES, J. 2002. O Édipo em narrativas de ficção produzidas por uma

criança e um adolescente de rua. Dissertação de Mestrado, Programa de PósGraduação em Psicologia, FFCLRP, USP, Ribeirão Preto.

PÊCHEUX, M. 1969. Idéologie et histoire des sciences – lês effets de la

coupure galiléenne em physique et en biologie. In: PÊCHEUX, M. ; FICHANT, M. Sur l’histoire de sciences. Paris : Librairie François Maspero.

PÊCHEUX, M.1997a. Semântica e discurso - uma crítica à afirmação do óbvio. (1975). Campinas: Unicamp.

______. 1997b. O discurso — estrutura ou acontecimento? — 1983. Campinas: Pontes.

______. 1997c. Análise Automática do Discurso — AAD-69. In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso. Campinas: Unicamp.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. 1997. A propósito da análise automática do

discurso: atualização e perspectivas.(1975). In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso. Campinas: Unicamp.

PÊCHEUX, M. ; GADET, F. 1981. La langue introuvable. Paris: Maspero.

SAFOUAN, M. 1993. A palavra ou a morte. Campinas: Papirus.

TFOUNI, L. V. 1992.O dado como indício e a contextualização do(a)

pesquisador(a) nos estudos sobre compreensão da linguagem. D.E.L.T.A ., v. 8, n.2, 205-223.

______. 2005. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez.

TFOUNI, L. V.; CARREIRA, A. F. 1996. Narrativas de crianças de rua

brasileiras: Uma forma de falar de si mesmo. Cadernos de Pesquisa NEP, v.2, n.2, 01 – 12.

________. 1997.A função da repetição nas narrativas de crianças e

adolescentes de rua. Livro de Resumos do XXVI Congresso Interamericano de Psicologia, p. 345.

________. 1999. Dispersion as a track of interdiction in oral narratives by street children. Book of Abstracts - VI European Congress of psychology, Londres, p. 443.

______.2000. La Dispersion comme trace de l'Interdit dans les Récits Oraux de Fiction des Enfants de Rue Brésiliens. Cahiers d'Acquisition et de Pathologie du Langage. França, v.20, 17 – 37.

TFOUNI, L.V.; LAUREANO, M.M.M. 2004. Que queres? O sujeito do discurso e seu desejo: o papel da ideologia. Consciência, v.18, n.2, 09-26.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.