Entre austeridade e putaria das grossas: o grotesco como metafísica porneia, em Hilda Hilst

Reginaldo Oliveira Silva

Resumo


Convencionou-se dividir a obra de Hilda Hilst em duas fases: séria e obscena. Numa, uma metafísica austera cadencia a sua imaginação na busca do indizível; noutra, a desistência de uma busca aparentemente adiada e infundada, e a intenção de cumprir o mesmo propósito recorrendo aos aspectos mais baixos da existência.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO FILHO, Deneval Siqueira de. 2002. Holocausto das fadas: a trilogia obscena e o carmelo bufólico de Hilda Hilst. São Paulo: Annablume; Edufes.

BAKHTIN, Mikhail. 2002. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Annablume; Hucitec.

CADERNOS DE LITERATURA BRASILEIRA. 1999. São Paulo: Instituto Moreira Sales, no. 8, outubro.

COELHO, Nelly Novaes. 1989. Feminino singular: a participação da mulher na literatura brasileira contemporânea. São Paulo: GRD.

______. Hilda Hilst: entre o eterno e o efêmero. 1984. O Estado de São Paulo, São Paulo, 14 ago.

______. 1993. A literatura feminina no Brasil contemporâneo. São Paulo: Siciliano.

HILST, Hilda. 2002a. Contos d’escárnio/Textos grotescos. São Paulo: Globo.

Revista Investigações - Vol. 25, nº 1, Janeiro/2012

______. 1970. Fluxo-Floema. São Paulo: Perspectiva.

______. 2001. A obscena senhora D. São Paulo: Globo.

______. 2006. Com meus olhos de cão e outras novelas. São Paulo: Globo.

______. 2004. Tu não te moves de ti. São Paulo: Globo.

______. 2005. O caderno rosa de Lori Lamby. São Paulo: Globo.

______. 2002b. Cartas de um sedutor. São Paulo:Globo.

______. 2007. Cascos e carícias: crônicas reunidas. São Paulo: Globo.

______. 2002c. Bufólicas. São Paulo: Globo.

HUGO, Victor. 2004. Do grotesco e o sublime. Trad. Célia Benettini. São Paulo: Perspectiva.

KAYSER, Wolfgang. 2003. O grotesco. Trad. J. Guinburg. São Paulo: Perspectiva.

MORAES, Eliane Robert. 1990. A obscena senhora Hilst. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 12 mai.

______. 1999. Da medida estilhaçada. In: Cadernos de literatura brasileira. São Paulo: Instituto Moreira Sales, no. 8, outubro.

QUEIROZ, Vera. 2004. Hilda Hilst e a arquitetura de escombros. In: Pactos do viver e do escrever. Fortaleza: 7Sóis, p. 35-51.

ROSENFELD, Anatol. 2006. A visão grotesca. In: –. Texto/Contexto I. 5. ed. São Paulo: Perspectiva.

Reginaldo Oliveira Silva (UEPB)

______. 1970. Hilda Hilst: poeta, narradora, dramaturga. In: HILST, H. FluxoFloema. São Paulo: Perspectiva.

RUSSO, Mary. 2000. O grotesco feminino: risco, excesso e modernidade. Trad. Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco.

SODRÉ, Muniz; PAIVA, Raquel. 2002. O Império do Grotesco. Rio de Janeiro: MAUAD.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.