Da linguística cognitiva à ciência social: 30 anos após “metáforas da vida cotidiana”, Michiel Leezenberg

Erik Miletta Martins

Resumo


Nos trinta anos desde o surgimento de “Metáforas da vida cotidiana”, a linguística cognitiva desenvolveu-se em um ramo de investigações autônomo e próspero. Contatos interdisciplinares, entretanto, estão restritos aos estudos literários e às ciências cognitivas, e dificilmente estendem-se em direção às ciências sociais. Isto é ainda mais surpreendente quando, na antropologia da década de 1970, a metáfora foi vista como uma noção-chave para o estudo mais geral do simbolismo. Esta contribuição explora o ponto de vista linguístico-cognitivo de fatores sociais e culturais. Lakoff e Johnson parecem ambivalentes no que diz respeito à relação entre cultura e cognição; mas partilham da crença, elaborada em detalhes por Gibbs e Turner (2002), de que fatores culturais podem ser explicados em termos de processos cognitivos. Desta perspectiva decorrem dificuldades metodológicas e filosóficas. Metodologicamente, esta perspectiva assume que fatores culturais podem ser reduzidos a processos cognitivos: filosoficamente, resume-se à ênfase cartesiana na experiência interna para explicar fenômenos externos. Existem esforços anti-cartesianos tanto na filosofia contemporânea quanto em uma grande corrente da filosofia do Século XVIII. Esta última, em particular, enfatizou a importância da incorporação/corporificação e da metáfora na cognição. Enquanto alternativa, esboçarei de maneira mais consistente uma abordagem semiótica orientada para as práticas, que procede das práticas linguísticas para os processos cognitivos ao invés do contrário. Esta abordagem admite as práticas como irredutivelmente públicas e normativas; nesta, as assim chamadas ideologias linguísticas (Silverstein 1979) possuem papel constitutivo tanto nas práticas linguísticas quanto na estrutura da linguagem. Esta alternativa é construída tanto com base em desenvolvimentos recentes da antropologia linguística quanto nos trabalhos de Peirce e Bakhtin. Ela sugere um olhar diferente na relação entre cognição, linguagem e prática social daquele sugerido pela linguística cognitiva.

Texto completo:

PDF

Referências


AARSLEFF, H. Philosophy of language. In HAAKONSSEN, K. (ed.) The Cambridge Companion to Eighteenth-Century Philosophy: Vol. 1 (451-495), Cambridge, UK: Cambridge University Press. 2006.

CAMERON, L. & DEIGMAN, A. The emergence of metaphor in discourse. Applied Linguistics, 27: 671-690. 2006.

DE CONDILLAC, E.B. Essay on the Origins of Human Knowledge, AARSLEFF, H. (tr.), Cambridge, UK: Cambridge University Press. 2001 [1746].

CROFT, W. Toward a social cognitive linguistics. In EVANS, V. & POURCEL, S. (eds.) New Directions in Cognitive Linguistics (395-420). Amsterdam: John Benjamins. 2009.

DAVIDSON, D. On the very idea of a conceptual scheme. In DAVIDSON, D., Inquiries into Truth and Interpretation (183-198). Oxford: Oxford University Press. 1984 [1973].

FERNANDEZ, J. (ed.). Beyond Metaphor: The Theory of Tropes in Anthropology. Stanford, CA,

USA: Stanford University Press. 1991.

GEERTZ, C. Deep play: Notes on the Balinese cockfight. In GEERTZ, C., The Interpretation of Cultures (412-453). New York: Basic Books. 1973.

GIBBS, Jr., R.W. Taking metaphor out of our heads and putting it into the cultural world. In

STEEN, G.S. & GIBBS, Jr., R.W. (eds.), Metaphor in Cognitive Linguistics. Amsterdam: John

Benjamins. 1999.

HANKS, W.F. Language and Communicative Practice. Boulder, CO, USA: Westview Press. 1996.

LAKOFF, G. & JOHNSON, M. Metaphors We Live By. Chicago: University of Chicago Press. 1980.

LAKOFF, G. & JOHNSON, M. Philosophy in the Flesh: The Embodied Mind and its Challenge to Western Thought. New York: Basic Books. 1999.

LAKOFF, G. September 11, 2001. In KLEIN, M. & McINTYRE, A. (eds.), September 11: Contexts and Consequences. Berkeley CA, USA: Copy Central. 2001.

LAKOFF, G. Women, Fire and Dangerous Things: What Categories Reveal about the Mind. Chicago: University of Chicago Press. 1987.

LEEZENBERG, M. Contexts of Metaphor: Current Research in the Semantics-Pragmatics Interface, Vol. 7. Amsterdam: Elsevier Science. 2001.

LEEZENBERG, M. Metaphor and metalanguage: Towards a social practice account of figurative speech. In Camp, E. (ed.), Baltic International Yearbook of Cognition, Logic, and Communication, Vol. 3: A Figure Of Speech (1-24), Kansas: New Prairie Press. 2008.

LOCKE, J. An Essay Concerning Human Understanding, NIDDITICH, P.H. (ed.). Cambridge, UK: Cambridge University Press. 1975 [1689].

PUTNAM, H. Reason, Truth, and History. Cambridge, UK: Cambridge University Press. 1981.

REDDY, M. The conduit metaphor: A case of frame conflict in our language about language. In ORTONY, A. (ed.) Metaphor & Thought. Cambridge, UK: Cambridge University Press. 1979.

SELLARS, W. Empiricism and the philosophy of mind. In FEIGL, H. & SCRIVEN, M. (eds.), Minnesota Studies in the Philosophy of Science. Minneapolis, MN, USA: University of Minnesota Press. 1956.

TURNER, M. Cognitive Dimensions of Social Science. New York: Oxford University Press. 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.