Sobre a singularidade das formas co-referenciais metafóricas

Erik Miletta Martins

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir as bases epistemológicas, teóricas e metodológicas para a definição e análise de estratégias textuais co-referenciais recategorizadoras – sob a forma de anáforas nominais como as sinonímias e as paráfrases – nas quais há emprego de metáforas. Aponta-se, aqui, a singularidade destes processos diante de dois movimentos inferenciais distintos, relativos à co-referência e à configuração conceptual da metáfora no efeito de recategorização. Para atingirmos este objetivo, trazemos alguns exemplos extraídos de um ambiente retórico religioso, altamente produtivo para a ilustração da peculiaridade teórico-metodológica dos processos co-referenciais metafóricos.


Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, Ruth. L’argumentation dans le discours. Nathan, Paris. 2000.

APOTHÉLOZ, Daniel. Référer sans expression référentielle: gestion de la référence et opérations de reformulation dans des séquences métalinguistiques produites dans une tache de rédaction conversationelle. Pragmatics in 2000: selected papers from the 7th International Pragmatics Conference, Antwerp. 2 (1). pp. 30-38. 2000.

BENTES, Anna Christina & ALVES FILHO, Francisco. Apresentação. Linguagem em discurso. 12 (3), pp, 649-655. 2012.

CAMPOS, Leonildo. Silveira. Teatro, templo e mercado: organização e marketing de um empreendimento neopentecostal. Vozes. São Paulo. 1997.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães & SANTOS, Leonor Werneck. Referenciação e marcas do conhecimento partilhado. Linguagem em discurso. 12 (3), pp, 657-682. 2012.

FILLMORE, Charles. Frame semantics. Linguistics in the Morning Calm. Soeul/ Hanshin. The Linguistic Society of Korea. pp. 111-137. 1982.

GOFFMAN, Ervin. Frame analysis. New York: Harper & Row. 1974.

HANKS, Willian. O que é contexto. In BENTES, Anna Christina. REZENDE, Renato Cabral & MACHADO, Marco Antônio. (eds.). Língua como prática social: das relações entre língua, sociedade e cultura a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez Editora. pp. 169 – 203. 2008 [1999].

HILGERT, José Gaston. Parafraseamento. In JUBRAN, Clélia Cândido Abreu & Koch, Ingedore Villaça. (orgs) Gramática do Português Culto Falado no Brasil. Vol. 1 A construção do texto falado. Campinas, SP. Editora da UNICAMP, pp. 275-300. 2006.

JUBRAN, Clélia Cândida Abreu. Introdução - A perspectiva textual-interativa. In Jubran, Clélia Cândido Abreu & Koch, Ingedore Villaça. (orgs) Gramática do Português Culto Falado no Brasil. Vol. 1 A construção do texto falado. Campinas, SP. Editora da UNICAMP, pp. 27-38. 2006.

KITTAY, E. Metaphor: its cognitive force and linguistic structure. OUP. Oxford. 1987.

KOCH, Ingedore Villaça. Desvendando os segredos do texto. São Paulo Cortez Editora. 2002.

______. Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes. 2004.

______. Referenciação e orientação argumentativa. In: KOCH, I. G. V., MORATO, E. M. e BENTES, A. C. (Orgs.) Referenciação e discurso. Ed. Contexto. São Paulo. 2005.

______. Progressão referencial, progressão temática e progressão tópica. In KOCH, Ingedore Villaça. As tramas do texto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, pp. 119-134. 2008.

______, CUNHA-LIMA, Maria. Luiza. Do cognitivismo ao sócio-cognitivismo. Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, Vol. 3, São Paulo, Cortez. 2004.

KÖVECSES, Zoltan. The effect of context on the use of metaphor in discourse. Iberica. 17 (1). pp. 11-24. 2009.

LAKOFF, George. Women, fire and dangerous things: what categories reveal about the mind. Chicago: The University of Chicago Press. 1987.

______, JOHNSON, Mark. Metáforas da vida cotidiana. (coordenação da tradução: Mara Sofia Zanotto) – Campinas: Mercado das Letras. São Paulo: Educ. 2002 [1980].

LEEZENBERG, M. Da Linguística Cognitiva às Ciências Sociais. Tradução de Erik Fernando Miletta Martins. Revista Investigações, vol. 28, n. 2. 2015 [2013].

MARCUSCHI, Luiz Antônio & KOCH, Ingedore Villaça. Estratégias de referenciação e progressão textual na língua falada. In Abaurre, Maria Bernardete & Rodrigues, Ângela. Gramática do português falado, vol. VIII. Campinas: Editora da UNICAMP, pp. 31-58. 2002.

______. O barco textual e suas âncoras. In KOCH, Ingedore Villaça. MORATO, Edwiges Maria & BENTES, Anna Christina (Orgs) Referenciação e Discurso. São Paulo: Contexto, pp. 53-102. 2005.

______. Referenciação e progressão tópica: aspectos cognitivos e textuais. Caderno de estudos linguísticos, 48 (1). Campinas. pp. 7-22. 2006.

______. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial. 2008.

MARTINS, Erik Fernando Miletta. O papel da teledifusão na organização textual-interativa da retórica neopentecostal. Communication, Cognition and Media (Comunicação, Cognição e Media). Braga: Aletheia - Associação Científica e Cultural da Faculdade de Filosofia da UCP. v. 2. pp. 191-202. 2010.

______. O percurso sociocognitivo das recategorizações metafóricas: construção de sentidos na retórica neopentecostal. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 2011.

______. MORATO, Edwiges Maria. Referenciação e orientação argumentativa na retórica neopentecostal: o percurso sociocognitivo das recategorizações metafóricas. In CAVALCANTE, Mônica Magalhães & LIMA, Silvana Calixto. (orgs) Referenciação: teoria e prática. São Paulo: Cortez Editora. pp, 86-104. 2012.

______. Semântica dos protótipos. In FERRAREZI Jr.,C.,BASSO, R. (orgs.) Semântica, semânticas: uma introdução. São Paulo, Editora Contexto, 2012.

______. Frames neoliberais na retórica neopentecostal: aspectos referenciais e sociocognitivos. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 2015.

MARTINS, H. Sobre linguagem e pensamento no paradigma experiencialista. Veredas. V.6, No.1, Jan/Jun. 75-90. 2002.

MEYER, Michel. A retórica. Trad. Lineide L. S. Mosca. São Paulo: Editora Ática. 2007.

MINSKY, Marvin. A Framework for Representing Knowledge. In The Psychology of Computer Vision. New York: McGraw-Hill. 1975.

MONDADA, Lorenza, DUBOIS, Daniele. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: Cavalcante, Mônica. et al. (orgs.) Coleção clássicos da linguística: Referenciação. São Paulo: Contexto, pp. 17-52. 2003 [1995].

MORATO, Edwiges Maria, KOCH, Ingedore Villaça. Linguagem e cognição: os (des)encontros entre a linguística e as ciências cognitivas. Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 44. Campinas. 2003. p. 85-91

______, BENTES, Anna Christina. TUBERO, Ana Lúcia. MACEDO, Heloísa. CAZELATO, Sandra. MIRA, Caio César Costa Ribeiro. MARTINS, Erik Fernando Miletta. Processos implícitos, contextuais e multimodais na construção referencial em conversações entre afásicos e não afásicos: relato de pesquisa. Linguagem em Dis(curso), 12 (3), pp.711-742. 2012.

______, et al. O papel dos frames na organização do tópico discursivo e na coesividade comunicacional na interação entre afásicos e não afásicos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 59, n. 1, p. 91-110, abr. 2017.

______. Linguística Textual e cognição. (no prelo).

PERELMAN, Chaïm. & OLBRECHTS-TYTECHA, Lucie. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes. 1996 [1954].

RODRIGUES, Kléber. Teologia da Prosperidade: Sagrado e Mercado. São Paulo: Edições FAFICA. 2003.

ROSCH, Eleanor. Principles of categorization. in ROSCH, Eleanor, LLOYD, Barbara. (eds.). Cognition and Categorization. Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates. 1978.

ROTH, Emilie. & SCHOBEN, Edward. The effect of context on the structure of categories. Cognitive Psychology, 15, pp. 346-378. 1983.

SALOMÃO, Maria Margarida. Teorias da linguagem: a perspectiva sociocognitiva. In Miranda, Neusa Salim & Salomão, Maria Margarida. Construções do Português do Brasil: da gramática ao discurso. Belo Horizonte: Editora da UFMG, pp. 20-32. 2009.

______. Razão, realismo e verdade: o que nos ensina o estudo sócio-cognitivo da referência. In: KOCH, I. G. V., MORATO, E. M. e BENTES, A. C. (Orgs.). Referenciação e Discurso. São Paulo: Contexto, 2005.

________. A questão da construção do sentido e a revisão da agenda dos estudos da linguagem. Veredas. Vol.3, No.1, Jan/Jun, 1999.

SANDIG, Barbara. O texto como conceito prototípico. In: WIESER, H. R.,KOCH, I. G. V. (Orgs.) Linguística Textual: perspectivas alemãs. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2009. 47-72.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez Editora. 2013.

SEMINO, Elena. Metaphor in discourse. New York: Cambridge University Press. 2008.

SWATOWISKI, Cláudia. Texto e contextos da fé: o discurso mediado de Edir Macedo. Religião e sociedade. 27 (1). Rio de Janeiro, pp. 114 – 131. 2007.

TANNEN, Debora. What is in a frame. in TANNEN, Debora. Framing in discourse. New York: OUP, pp 14-56.1993.

TOMASELLO, Michael. Cultural origins of human cognition. Massachussets: Harvard University Press. 1999.

VEREZA, Solange. Metáfora e argumentação: uma perspectiva discursiva. Linguagem em (dis)curso. 7 (3), pp. 487-506. 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.