Eles não sabem o que fazem?: o discurso cínico e ideologia de gênero

Mônica Ferreira Cassana

Resumo


Neste trabalho, propomos uma análise do discurso sobre a ideologia de gênero, noção que passa a circular na sociedade brasileira a partir das discussões sobre o Plano Nacional de Educação. Nosso objetivo é demonstrar como os saberes sobre a noção de “ideologia do gênero” são afetados ideologicamente pelo discurso conservador, que se manifesta tanto no âmbito político quanto no religioso. Mostraremos a análise de um corpus que faz referência a como esses sentidos circulam no espaço pedagógico, a partir de três imagens que trataremos como sequências discursivas e que revelam o funcionamento do cinismo no discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos de estado. Lisboa: Editorial Presença/ Martins Fontes, s/d.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Atualizada em 1/12/2014. Disponível em http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf. Acesso em jul 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

COURTINE. El concepto de formación discursiva. In: BARONAS, Roberto L. Análise do discurso: apontamentos pata uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro e João Editores, 2007.

HERBERT, Thomas. Observações para uma teoria geral das ideologias (1967). Traduzido por ZUCHIOLO, Carolina M. R., ORLANDI, Eni e NUNES, José H. Revista Rua. Campinas. Vol 1, p. 63-89, 1995.

HORTA NUNES, José. Leitura de arquivo: historicidade e compreensão. In: INDURSKY, FREDA e LEANDRO FERREIRA, Maria Cristina. Análise do Discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007.

INDUSRKY, Freda. Da interpelação à falha no ritual: a trajetória teórica da noção de formação discursiva. In: BARONAS, Roberto L. Análise do discurso: apontamentos pata uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro e João Editores, 2007.

ORLANDI, Eni. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 1983.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio (1975). Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi et al. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2009.

ZIZEK, Slavoj. Como Marx inventou o sintoma. In: ZIZEK, Slavoj. Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

ZIZEK, Slavoj. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.