Livros escolares e ensino de escrita: selecionando material entre a linguística e a história

Cristian Henrique Imbruniz

Resumo


Este artigo defende que dados editoriais de livros didáticos são enunciados em ruína. Seu estado deruína, ao invés de excluí-los do horizonte da pesquisa, permite uma articulação entre análise do discurso francesa e história. Considerada a operação historiográfica (DE CERTEAU, 1982), pode-se, assumindo a posição do analista de discurso, conceber o livro didático comoparte de um acontecimento discursivo (PÊCHEUX, 2015). Os dados em ruína seriam enunciados que se entrecruzam no encontro de uma atualidade e de uma memória. Exemplificando esse procedimento, analiso o Método de redação, de Carlos Góes (1930).


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BITTENCOURT, Circe. Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. 1993. Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

BRAITH, B. Estilo. In: Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005, p. 79-102.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales (1929-1989): a revolução francesa da historiografia. Tradução de Nilo Odalia. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. In: CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982, p. 65-122.

CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Tradução de Maria Cappello Educação e pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, 2004.

CORRÊA, Manoel. Heterogeneidade da escrita: a novidade da adequação e a experiência do acontecimento. Filologia e Língua Portuguesa, São Paulo, n. 8, p. 269-296, 2006a.

CORRÊA, Manoel. Pressupostos teóricos para o ensino da escrita: entre a adequação e o acontecimento. Filologia e Língua Portuguesa, São Paulo, n. 9, p. 201-211, 2007.

CORRÊA, Manoel. Relações intergenéricas na análise indiciária de textos escritos. Trab. Ling. Aplic., Campinas, v. 45, n. 2, p. 205-224, 2006b.

COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Tradução de Cristina de Campos et al. São Carlos: EDUFSCar, 2014.

DASSIE, Bruno. A Comissão Nacional do Livro Didático após 1945 e os livros de matemática aprovados para uso no ensino secundário. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 47, o. 88-107, 2012.

FILGUEIRAS, Juliana. As avaliações dos livros didáticos na Comissão Nacional do Livro Didático: a conformação dos saberes escolares nos anos 1940. Rev. bras. hist. educ., Campinas, v. 31, n. 1, p. 159-192, 2013.

GÓES, Carlos. Methodo de redacção. Com vocabulario e grammatica applicada. Belo Horizonte/São Paulo/Rio de Janeiro: Paulo Azevedo & Comp., 1930.

GUILHAUMOU, Jacques; MALDIDIER, Denise. Efeitos do arquivo: a análise do discurso ao lado da história. In: ORLANDI, Eni (Org). Gestos de leitura da história no discurso. Tradução de Suzy Lagazzi e José Nunes. Campinas: Unicamp, 2015, p. 169-192.

HALLEWELL, Lawrence. O livro no Brasil: sua história. Tradução de Maria Villalobos e Lólio Lourenço de Olivera. São Paulo: EDUSP/T. A. Querioz: 1985.

HANSEN, Patrícia. Brasil, um país novo. literatura cívico-pedagógica e a construção de um ideal de infância brasileira na Primeira República. 2009. Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

NORA, Pierre. O retorno do fato. In: LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. p. 179-192.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso. Tradução de Eni Orlandi. Campinas: Unicamp, 2010, p. 59-158.

PÊCHEUX, Michel. Discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Pulccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2015.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. Campinas: Unicamp, 2014.

SCHUELER, Alessandra; MAGALDI, Ana. Educação escolar na primeira república: Memória, história e perspectivas de pesquisa. Tempo, v. 13, n. 26. p. 32-55, 2009.

SOARES, Magda. Português na escola. Uma disciplina curricular. In: BAGNO, Marcos. (Org.). Linguística da Norma. São Paulo: Loyola, 2004. p. 155-177.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.