Sentidos de legitimação do ensino bilíngue português-inglês: efeitos do discurso institucional

Laura Fortes

Resumo


Nossa pesquisa de doutorado propôs um estudo discursivo de sentidos de bilinguismo, educação bilíngue e currículo em escolas bilíngues português-inglês. Teoricamente orientada pela análise de discurso pecheutiana, a pesquisa analisou discursividades produzidas em torno do real da expansão dessas escolas, frequentemente justificada por uma demanda crescente pela aquisição da língua inglesa cada vez mais cedo. Neste artigo, apresentamos um recorte de nosso corpus, a saber, o discurso institucional, bem como suas incidências no discurso profissional. Nessas condições de produção, dois elementos constituem a base desse processo discursivo: a representação da instituição sem falhas e seu atravessamento pelas discursividades da mídia e do mercado.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, L. [1969] Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Trad. Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. 10.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

BUENO, S. F. Pedagogia sem sujeito: qualidade total e neoliberalismo na educação. São Paulo: Annablume Editora, 2003.

BRAUNSTEIN, N. Sujeto de la conciencia, sujeto del discurso, sujeto. In: BRAUNSTEIN, N. A. [1980] Psiquiatría, teoría del sujeto, psicoanálisis (hacia Lacan). Cd. de México: Siglo veintiuno Ed., 2008. p. 69-79.

CORREDATO, V. D. O Ensino Bilíngue em São Paulo: práticas de imersão em um contexto monolíngue. Monografia (Especialização). Anhanguera Educacional, 2010.

FÁVARO, F. M. A educação infantil bilíngue (português/inglês) na cidade de São Paulo e a formação dos profissionais da área: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2009.

FOUCAULT, M. [1966] As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. [1973] Isto não é um cachimbo. Tradução de Jorge Coli. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

FUCHS, C; PÊCHEUX, M. [1975]. A propósito da Análise Automática do Discurso: Atualização e Perspectivas. Trad. Péricles Cunha. In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.) Por uma Análise Automática do Discurso: uma Introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradutores: Bethania S. Mariani... [et al.]. 3. Ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

GARCIA, B. Quanto mais cedo melhor (?): uma análise discursiva do ensino de inglês para crianças. 2011. 216 p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2011.

GIMENEZ, T. Apresentação. In: ROCHA, C. H., TONELLI, J. R. A.; SILVA, K. A. da (Orgs). Língua estrangeira para crianças: ensino-aprendizagem e formação docente. Campinas, Pontes, 2010. p. 13-25.

GIMENEZ, T. A ausência de políticas para o ensino da língua inglesa nos anos iniciais de escolarização no Brasil. In: Nicolaides, C.; SILVA, K. A. da; TÍLIO, R.; ROCHA, C. H. (Org.). Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 199-218.

HENRY, P. A ferramenta imperfeita: Língua, sujeito e discurso. Trad. Maria Fausta P. de Castro. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

LACAN, J. Seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante (1971). Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

MOURA, S. de A. Com quantas línguas se faz um país? Concepções e práticas de ensino em uma sala de aula na educação bilíngue. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

MOURA, S. de A. Educação bilíngue e currículo: de uma coleção de conteúdos a uma integração de conhecimentos. In: ROCHA, C. H., TONELLI, J. R. A.; SILVA, K. A. da (Orgs). Língua estrangeira para crianças: ensino-aprendizagem e formação docente. Campinas, Pontes, 2010, p. 269-295.

ORLANDI, E. P. [1992] As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 5 ed. Campinas, SP. Editora da Unicamp, 2002.

ORLANDI, E. P. [1990] Silêncio e sentido. In: ______.Terra à vista: discurso do confronto: velho e novo mundo. 2. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2008. p. 57-61.

PAYER, M. O. Linguagem e sociedade contemporânea: sujeito, mídia, mercado. Revista Rua, Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade da Unicamp, n. 11, p. 9-25, mar. 2005.

PÊCHEUX, Michel. [1975] Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi, Lourenço Chacon Jurado Filho, Manoel Luiz Gonçalves Corrêa, Silvana Mabel Serrani. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988a.

PÊCHEUX, M. [1978] Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação. In: PÊCHEUX, M. [1975] Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi, Lourenço Chacon Jurado Filho, Manoel Luiz Gonçalves Corrêa, Silvana Mabel Serrani. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988b. p. 293-307.

PÊCHEUX, M. [1983] 'Papel da memória.', in ACHARD, P.et al. (org.), Papel da memória. Pontes, São Paulo, 1999. p. 49-57.

SAAL, F.; BRAUNSTEIN, N. El sujeto en el psicoanálisis, el materialismo histórico y la lingüística. In: BRAUNSTEIN, N. [1980] Psiquiatría, teoría del sujeto, psicoanálisis (hacia Lacan). Cd. de México: Siglo veintiuno Ed., 2008. p. 80-160.

SANTOS, A. de F. T. Política educacional para a universidade microondas: gestão universitária, trabalho docente e qualidade da formação humana sob o efeito do "mercado edeucador". Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, v. 03, p. 01-16, 2010.

SANTOS, M. [1996] Da totalidade ao lugar. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

SHAW, G. B. [1912] Pygmalion. In: SHAW, G. B. Four plays by George Bernard Shaw: Candida, Cesar and Cleopatra, Pygmalion, Heartbreak House. Introduction by Louis Kronenberger. New York: The Modern Library, 1953.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.