Hoje a aula é na rua: as ressignificações do espaço de ensino

Luiza Bedê Barbosa, Cinthia Yuri Galelli

Resumo


A partir da análise do discurso francesa, como suporte teórico, analisaremos o enunciado “hoje a aula é na rua”, que circulou durante as ocupações das escolas estaduais paulistas em 2015. Esse enunciado faz emergir diferentes sentidos para aula e rua e ressignifica o já estabelecido para essas palavras, construindo uma realidade de resistência.  A atividade analítica ressaltará o intradiscurso, o qual permitirá ativar o interdiscurso desse enunciado que reemerge nas mobilizações estudantis em tempo e espaço distintos, resgatando as memórias instituídas a partir das formações discursivas em que esse enunciado atua.   

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. A cultura Popular na idade média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Brasília: Hucitec, 1997.

BELISARIO, Y. ‘Hoy la clase es en la calle’, la protesta creativa de los Ucabistas”. Disponível em http://rumbacaracas.com/noticias/2014/03/28/la-ucab-continua-con-las-protestas-creativas/. Visitado em 10 de setembro de 2018.

CANDIOTTO, Cesar. A genealogia da ética de Michel Foucault. Educação e Filosofia. Uberlância, v. 27, n. 53, p. 217-234, 2013.

______. Subjetividade e verdade no último Foucault. Trans/Form/Ação, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 87-103, 2008.

COSTA, Rogério da. Sociedade de controle. São Paulo Perspec. São Paulo, v.18, n 1 p. 161-167, 2004

DELEUZE, Gilles. Controle e devir. In. ______. Conversações (1972-1990). Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992, p. 209-218

DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FISCHER, R.M.B. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 25. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

______. M Foucault. Conversação sem complexos com um filósofo que analisa as “estruturas do poder” (1978). In: Ditos e escritos IV: estratégia, poder-saber. Org. Manoel Barros da Mota. Trad. Vera Lúcia A. Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

______. A arqueologia do saber. 6.ed.Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

______. Vigiar e Punir. Trad. Raquel Ramalhete. 20 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

______. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. pp. 241-249.

FREIRE, S. de M. Movimento estudantil no Brasil: lutas passadas, desafios presentes. Rhela. Vol 11. 2008, pp. 131-146.

GREGOLIN, M.do R.V. O dispositivo escolar republicano na paisagem das cidades brasileiras: enunciados, visibilidades, subjetividades. Revista Moara, n 43, 2015.

______. Análise do discurso e mídia: a (re)produção de identidades. Comunicação, Mídia e consumo. São Paulo, v. 4, n.11, p. 11-25, 2008.

LOPONTE, L. G. Foucault com Nietzsche: do Nietzsche trágico ao Foucault ético: sobre estética da existência e uma ética para a docência. Educação e Realidade. v. 28, n. 2, p. 69-82, 2003.

MENEGUETTI, G.; SAMPAIO, S.S. A disciplina como elemento constitutivo do modo de produção capitalista. Revista Katál, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 135-142, 2016.

NOTO, C. de S. A ontologia do sujeito em Michel Foucault. Dissertação (Mestrado em Filosofia). 147f. 2009. Universidade de São Paulo, 2009.

O Mal educado. Página do facebook. Figura 1 publicada no dia 1 de dezembro de 2015. Disponível em https://www.facebook.com/mal.educado.sp/photos/pb.291834600950292.-2207520000.1461937386./726375684162846/?type=3&theater. Visitado dia 10 de setembro de 2018.

O Mal educado. Página do facebook. Figura 2 publicada no dia 2 de dezembro de 2015. Disponível em https://www.facebook.com/mal.educado.sp/photos/a.503085239825226/726897084110706/?type=3&theater. Visitado dia 10 de setembro de 2018.

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. São Paulo: Pontes, 2012.

______. Língua Imaginária e Língua Fluida In: ______. Língua Brasileira e Outras Histórias. Campinas: RG Editora, 2009.

ORTELLADO, P. Prefácio. In: CAMPOS, A.M; MEDEIROS, J.;RIBEIRO, M. Escolas de luta. São Paulo: Veneta(Coleção Baderna), 2016.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi. 4 ed. Campinas: Pontes, 2006.

______. Análise Automática do Discurso (AAD-69). Trad. E. P. Orlandi. In: GADET, F.; HAK, T. Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de M. Pêcheux. Campinas: Ed. da Unicamp, 1993, p. 61 – 105

SÁ, l. de. Memória discursiva da ditadura no século XXI: visibilidades e opacidades democráticas. 2015. 230f. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal de São Carlos, 2015.

SENNA, V. Modelo de escola atual parou no século 19. [jun. 2015]. Entrevistadora: Ruth Costas. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2018.

SOUZA, P. de. Resistir, a que será que se resiste? O sujeito fora de si. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, v. 3, Número Especial, p. 37-54, 2003.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.