AMBIÊNCIA PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE TAGUATINGA

Rosileide Silva Damaceno, Ivan Rocha Neto

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir a ambiência na Rede de escolas públicas de Taguatinga - DF para Gestão do conhecimento (GC), visando a uma análise de cenário na identificação dos condicionantes para inserção de práticas de GC.  A metodologia adotada, qualitativa, exploratória, e descritiva, com base na realização de uma reunião de grupo focal e validação dos resultados pelos participantes e por outro grupo de diretores. A análise dos resultados identificou uma lista de vinte condicionantes, os quais apenas um não foi validado. Destaca-se  adescontinuidade administrativa, resultado do processo de Gestão democrática participativa. Os resultados sugerem uma melhor reflexão por todos os segmentos que compõem a escola, pela comunidade escolar e maior responsabilidade das entidades competentes no sentido de direcionar mais investimento em políticas sociais no combate à segregação social. Palavras-chave: Gestão do conhecimento, Gestão escolar, Planejamento Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEE, Verna. 12 Principles of Knowledge Management. 1997. p. 1 - 6. Disponível em: Acesso em 02 mar. 2013

BATISTA, Fabio Ferreira. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Rio de Janeiro, IPEA, 2012.

Disponível em Acesso em 01 out. 2013

BERG, Bruce L. Qualitative research methods for the social sciences. Boston: Pearson. 1995.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN Sari Knopp. Qualitative research for education: an introduction for theory and methods. 3. ed, Boston, Allyn and Bacon, 1998.

BUENO, J. G. S. Função social da escola e organização do trabalho pedagógico. Educar, n. 17, p. 101-110, 2001. Disponível em: http://www.redalyc.org/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=155018328007. Acesso em 14 jun. 2012

CAREY; M. The group effect in focus groups: planning, implementing, and interpreting focus group research. In: MORSE, J. Critical Issues in Qualitative Research Methods. London: Sage. Publications, 1994. p. 225-241.

CAVALIERE, Ana Maria Villela. Educação Integral: Uma Nova Identidade para a escola brasileira. Educ. Soc. Campinas, v. 23, n. 81, p. 247-270, dez. 2002. Disponível em:

Acesso em 15 mai. 2012.

CHARLESWORTH, Leanne Wood; RODWELL, Mary K. Focus groups with children: A resource for sexual abuse prevention program evaluation. Child abuse & neglect, v. 21, n. 12, p. 1205-1216, 1997.

CONFERENCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CONAE), 2010, Brasília, DF. Construindo o Sistema Nacional articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, diretrizes e estratégias; Documento Final. Brasília, DF: MEC, 2010b. 164p. Disponível em Acesso em 15 set. 2013.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) Handbook of qualitative research. Thousand Oaks. Londres: Sage, 1994.

FREIRE, PAULO. Educação “bancária” e educação libertadora. In: ______. Introdução à psicologia escolar. São Paulo: Casa do psicólogo, 2006, p. 61-80

FREITAS, Luiz Carlos. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escolar e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação e Sociedade, v. 28, n. 100, p. 965-987, out. 2007.

GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José Eustáquio. Escola cidadã: a hora da sociedade. In:______. Autonomia da Escola: princípios e propostas, São Paulo: Cortez, 1998. (v. 3)

KNODEL, John. The design and analysis of focus group studies: A practical approach. In:______. Successful focus groups: Advancing the state of the art. Newbury Park, CA: Sage, 1993. p. 35-50 ( v. 1 )

KRUEGER, Richard A. Quality control in focus group research. In: ______. Successful focus groups: Advancing the state of the art, Newbury Park. CA: Sage, 1993. p. 65-85.

LARROSA BONDÍA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 1, jan./abril, 2002.

LERVOLINO, Solange; PELICIONI, Maria Cecilia, A utilização do Grupo Focal como

Metodologia Qualitativa. Revista Esc. Enf. USP, v. 35, n. 2, p. 115-21, jun. 2001.

LIBÂNEO, José Carlos. A escola brasileira em face de um dualismo perverso: escola do conhecimento para ricos, escola do acolhimento social para os pobres. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA ANPED, 10, 2010.

______. As áreas de atuação do sistema de organização e de gestão escolar-ações, procedimentos e técnicas de coordenação do trabalho escolar. In: ______. Organização e Gestão da Escola: Teoria e prática. 5.ed. Goiânia: Alternativa, 2004. p. 263-299.

LÜCK, Heloísa. Dimensões de gestão escolar e suas competências. Curitiba: Positivo, 2009. 143 p.

MACINTOSH, Ann; FILBY, Ian; KINGSTON, John. Knowledge management techniques: teaching and dissemination concepts. International journal of human-computer studies, v. 51, n. 3, p. 549-566, 1999.

MORGAN, David L. Focus groups as qualitative research. Newbury Park, CA: Sage, 1997.

NERI, Marcelo et al. Motivos da evasão escolar. Brasília: Fundação Getulio Vargas, 2009.

NONAKA, Ikujiro; TAJEUCHI, Hirotaka. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Brookman, 2008, 320 p.

O’BRIEN, K. (1993). Improving survey questionnaires through focus group. In: D. Morgan (Org.), Successful focus group: Advancing the state of the art (p.105-117). Newbury Park, CA: Sage.

PARO, Vitor Henrique. Gestão da escola pública: a participação da comunidade. Revista brasileira de estudos pedagógicos, v. 73, n. 174, p. 225-290, 1992.

PIRES, José Calixto de Souza; MACÊDO, Kátia Barbosa. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. RAP Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 81-105, 2006.

PROBST, Gilberto; RAUB, Steffen; ROMHARDT, Kai. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2002.

QUEIROZ, Lucileide Domingos. Um estudo sobre a evasão escolar: para se pensar na inclusão escolar. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Brasília: ANPAD, 2001. (v. 3) Disponível em Acesso em: 14 ago. 2013.

RAMOS, Alice. Gestão Escolar e Gestão do Conhecimento, 2010. Disponível em : http://www.aliceramos.com/view.asp?materia=1416. Acesso em 14 jun. 2012.

REGO, Nelson. Geração de ambiências: três conceitos articuladores. Porto Alegre, Cad. Pesquisa Educação, v. 33, n. 1, p 46-53, jan/ abr. 2010.

ROCHA NETO, Ivan. Gestão do Conhecimento. O olhar da complexidade. Brasília, Paralelo 15, 2011. 232 p.

______; SALINAS, Patrícia Magalhães. Ambiência para Gestão do Conhecimento em uma Organização Militar, 2011. Disponível em: http://www.convibra.org/upload/paper/adm/adm_2757.pdf. Acesso em 20 jun. 2012.

STEWART, T.A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. 11. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: