“NÃO MORRERAM DE AMOR, MORRERAM DE PROMISCUIDADE, MORRERAM POR DESCUIDO MESMO”: DISCURSOS DE PROFESSORAS SOBRE TENDENCIOSIDADES E VULNERABILIDADES AO HIV/AIDS MEDIADOS POR ARTEFATOS CULTURAIS

Laís Machado de Souza, Marcos Lopes de Souza

Resumo


Trago nesse artigo uma análise dos principais discursos sobre tendenciosidades e vulnerabilidade são vírus HIV e a Aids construídos por três professoras do componente curricular Educação para a Sexualidade de uma escola dos anos finais de um município no interior baiano. A construção desses discursos se deu durante um encontro formativo realizado com as professoras na escola mediado por artefatos culturais. O encontro fazia parte de uma proposta formativa na área de sexualidade e saúde que foi pensada a partir de uma perspectiva pós – estruturalista e inspirada no saber da experiência de Jorge Larrosa. Chamo atenção nesse estudo para algumas percepções, incômodos e estigmas manifestados diante do tema, especialmente, sobre a suposta banalização do HIV/Aids, a aversão às relações ditas promíscuas e o suposto tendenciamento dos artefatos culturais e sua relação com o aumento da vulnerabilidade dos/as jovens.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32359/debin2018.v1.n1.p138-157



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.