GRAMÁTICA E NÚMEROS: FORMA DE VIDA E JOGOS DE LINGUAGEM MATEMÁTICOS

Ieda Maria Giongo, Mariana Torreão Monte

Resumo


O artigo apresenta alguns resultados de uma investigação que teve por objetivo central problematizar uma prática pedagógica efetivada na disciplina de Cálculo II, em um Curso de Engenharia da Computação. Tendo como aportes teórico-metodológicos o campo da Etnomatemática em seus entrecruzamentos com as ideias da maturidade de Ludwig Wittgenstein e algumas ferramentas foucaultianas, a prática pedagógica investigativa ocorreu numa turma composta de 30 estudantes que cursava a disciplina Cálculo Diferencial e Integral II. O material de pesquisa se constituiu de diário de campo da professora pesquisadora, entrevistas, gravadas e transcritas, realizadas com um grupo de engenheiros; filmagens dos encontros da prática pedagógica e relatórios e papers produzidos pelos estudantes. A análise do material de pesquisa permitiu compreender que a matemática acadêmica é uma etnomatemática e, como tal, faz parte da formação dos engenheiros e seus saberes. Entretanto, é potente a abertura, nas disciplinas de Cálculo, para a linguagem dos profissionais da área, pois seus planejamentos e objetos de trabalho podem enriquecer os processos de ensino e de aprendizagem na graduação dos estudantes.

 


Palavras-chave


Etnomatemática; Cálculo; Engenharia e Ensino;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v10i2.109922

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br