REFLEXÕES CRÍTICAS SOBRE O CONCEITO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM APLICADO AO ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA

Marcelo Sabbatini

Resumo


Desde sua proposição no início do século XXI, os objetos de aprendizagem polarizaram o debate a respeito da criação, compartilhamento e reutilização de conteúdos didáticos digitais no contexto da educação online e a distância. A partir de sua definição e da revisão de características como a utilização de padrões técnicos, a granularidade e a modelagem de seu uso pedagógico, buscamos analisar criticamente este conceito visando compreender o potencial dos objetos de aprendizagem para a conformação de uma “economia informacional”, operacionalizada por repositórios digitais construídos coletivamente e/ou de acordo com o planejamento educacional de países e regiões. Especificamente em relação ao ensino de ciências e matemática, questionamos em que medida esta expressão da tecnologia educacional assume pressupostos epistemológicos distantes da atual concepção de conhecimento científico, resgatando além do mais elementos do instrucionismo e da pedagogia tecnicista. Finalmente, contextualizamos os objetos de aprendizagem o movimento da informação e do conhecimento livre e, especialmente, do emergente conceito de recursos educacionais abertos (REA) em função da lógica comum de compartilhamento e reutilização.


Palavras-chave


objetos de aprendizagem, recursos educacionais abertos, ensino de ciências, tecnologia educacional

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v3i3.2189

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br