Professor-criança: Uma possibilidade na formação de Professores de Matemática

Fernanda de Abreu Lima, Francisco Egger Moellwald

Resumo


Temos memórias de docências e discências, reconhecemos alguns modos de ser e estar em sala de aula. Seguimos deveres, esquivamos devires. Mantemos uma relação com a verdade que muitas vezes inibe a experimentação e a criação de novos modos de ser e estar em uma aula de matemática. Considerando as forças densas do contexto de verdades estabelecido sobre docência em Educação Matemática e, ao mesmo tempo, forçados a buscar outros modos de nos relacionarmos com esse contexto, propomos neste ensaio uma experimentação. Este texto se constitui como um exercício que explora a potência da Filosofia da Educação na formação do professor de matemática, sem intenção de explicar, legitimar ou consolidar, mas de explorar, “pensar, ser e ensinar de outro modo" (KOHAN, 2003, p.225). Experimentamos nesta escrita a invenção de um personagem, o professor-criança, e sua preparação. Um personagem que surge e se movimenta inspirado pelo conceito de devir-criança e seu potencial na formação do professor de matemática. Uma preparação que tenta encontrar brechas para o novo e tornar-nos sensíveis aos encontros intensivos e aos movimentos causados por suas forças.


Palavras-chave


devir-criança; docência; experimentação; formação; verdade;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v9i2.237082

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br