Registros de representação semiótica e sua articulação com o hexágono de Durer nas aulas de matemática

Veridiana Rezende, Mariana Moran, Wilian Barbosa Travassos, Tháis Michele Mártires

Resumo


Apresentamos neste texto uma investigação acerca das possibilidades do uso de diferentes registros de representação semiótica no ensino de Fractais. Após estudos teóricos, realizamos uma implementação com 17 alunos do 3º ano do Ensino Médio. A coleta de dados se deu por meio da resolução de cinco tarefas matemáticas sobre o fractal Hexágono de Durer, nas quais articulam diferentes registros de representação, além de fotos das construções no software GeoGebra e um diário de campo. Os resultados evidenciaram dificuldades dos alunos no que diz respeito aos cálculos numéricos decimais e fracionários. Contudo, as tarefas e suas diferentes representações propiciaram subsídios teóricos metológicos para o ensino de Fractais com base em suas diferentes representações de modo a contribuir com o desenvolvimento intelectual dos alunos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v9i2.237436

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br