A Educação Financeira e a Base Nacional Comum Curricular

Cassio Cristiano Giordano, Marco Rodrigo da Silva Assis, Cileda de Queiroz e Silva Coutinho

Resumo


Este artigo discute as novas perspectivas para a Educação Financeira no Brasil com ênfase na publicação da Base Nacional Comum Curricular e o potencial dessas mudanças para a promoção do letramento financeiro. A abordagem metodológica é o estudo bibliográfico documental e o quadro teórico é a Educação Matemática Crítica, norteando a análise sobre as dimensões cultural, social, educativa e política que permeiam as discussões sobre Educação Financeira na Educação Básica Brasileira. Nossa questão de pesquisa é “Em relação aos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN, a Base Nacional Comum Curricular – BNCC apresenta avanços para o desenvolvimento da Educação Financeira Brasileira e promoção do letramento financeiro dos alunos?” Concluímos que sim.  Enquanto os PCN ignoram totalmente a Educação Financeira, garantindo apenas a presença da Matemática Financeira, a BNCC mantém a segunda e ainda amplia o espaço da primeira no currículo, propõe um trabalho centrado na realidade do aluno, tratando de problemas sociais e ambientais, estimulando o emprego de tecnologias digitais e o desenvolvimento do pensamento crítico.

Palavras-chave


Educação Financeira, Letramento Financeiro, BNCC.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v10i3.241442

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br