O ESTUDO DO LUGAR A PARTIR DO MAPA MENTAL

Ronaldo dos Santos Barbosa, Bruno Cezar de Souza Alves

Resumo


O trabalho objetivou destacar a utilização dos mapas mentais nas aulas de Geografia com ênfase no estudo do lugar. Sendo assim, vale salientar que a utilização do mapa mental deve considerar o contexto ao qual os alunos e a escola estão inseridos. Foram utilizadas as abordagens metodológicas propostas por Kozel (2010) e Richter et. al. (2010) no tocante à utilização dos mapas mentais e a abordagem do conceito de lugar proposta por Cavalcanti (2006). O trabalho empírico foi desenvolvido com alunos dos anos finais do ensino fundamental de uma escola pública na cidade de Camaragibe-PE. O mapa mental revelou ser uma ferramenta de ensino bastante importante diante da conexão entre a Cartografia, Geografia e Educação, proporcionando o uso da linguagem cartográfica, na qual os alunos consigam demonstrar uma percepção crítica acerca dos fatos que permeiam o cotidiano. Destaca ainda o mapa mental como material pedagógico ideal para a iniciação cartográfica nas aulas de Geografia. O estudo do espaço geográfico começou a ser assimilado pelos alunos de uma forma mais contundente, pois os mesmos perceberam que são agentes transformadores do lugar. Portanto, o professor de Geografia pode utilizar o mapa mental como elemento didático, criando desafios educativos que tornem os alunos cidadãos preparados para os desafios contemporâneos.

Palavras-chave


Mapa Mental. Lugar. Geografia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.51359/2594-9616.2018.240448



INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.