AS ATUALIDADES EPISTÊMICAS DO PENSAMENTO MILTONIANO

Alcindo José de Sá

Resumo


Quando tratamos do que seja epistemologia, grosso modo, estamos nos referindo ao pensar um pensamento sistêmico e coerente sobre uma concepção de mundo, ou seja, vislumbramos “filosoficamente”, uma unidade explicativa dos fenômenos, incluindo, claramente, os eventos geográficos; sócio-espaciais. Neste sentido, o Geógrafo Milton Santos, buscou, ao longo de sua obra, e se atendo aos diversificados momentos históricos, a referida unidade explicativa, através das mutações constantes dos fenômenos técnicos, sob a égide das diversas formações econômicas e sociais, que plasmaram e plasmam as inúmeras configurações sócio-espaciais, ou territoriais. Foi por este prisma que, no final dos anos oitenta e início dos anos noventa, levei a cabo minha dissertação de mestrado, cujo nome está aludido no título deste ensaio. Portanto, para efeito de um melhor entendimento, o referido autor em inúmeras de suas obras, em especial “A Natureza do Espaço: Técnica e tempo: Razão e emoção” (que ainda não havia sido publicada quando da feitura da dissertação), mas que pode ser muito bem encaixada neste ensaio, trata de quatro quadros tempo/espaciais, moldados pela técnica: O período pré-técnico, o período técnico, o período técnico-científico e o técnico-científico informacional. Seguindo esse roteiro, selecionarei algumas passagens da minha dissertação, mostrando a operacionalidade dessas concepções teóricas/conceituais e, acima de tudo, reafirmando o caráter epistêmico de um pensador que legou uma obra que permanece atual ao desvendamento dos inúmeros fenômenos sócio-espaciais em meio a essa globalização cada vez mais “perversa”.


Palavras-chave


Milton Santos; Pensamento Geográfico; Conceitos; Epistemologia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.38187/regeo2019.v2n3id244092

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADORES E BASE DE DADOS