A geografia está formando professores de geografia? Uma experiência formativa com o PIBID

Cleber Abreu Silva

Resumo


A referida reflexão problematiza a formação do professor de geografia, especialmente na necessidade de dotá-lo de um mais profundo conhecimento das práticas pedagógicas, mas também relacionando essa formação ao quanto a falta de conhecimento do objeto da ciência geográfica corrobora para que a mesma seja exposta a um grau maior de deficiência. Foi justamente a confirmação desse caráter difuso da ciência geográfica que desencadeou um dos objetivos da pesquisa, ou seja, identificar como a falta de clareza de um objeto pode influenciar, ou não, no devir geográfico do graduando da licenciatura. O que se viu na supervisão do PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência), especialmente em seu estágio inicial, foram alunos de geografia que pouco, ou nada, conheciam das reflexões epistemológicas a respeito do espaço. Além disso, poucos dotados de conhecimentos teoricos a respeito das práticas pedagógicas necessárias ao ato educativo. Constata-se que persistem os muitos problemas da geografia em formar professores que geografize seus lugares, avalie seus espaços, caminhos fundamentais para que o educador real se liberte do estigma de uma ausência de ciência no seu fazer educativo, e, para o de geografia, também no seu fazer geográfico.

Palavras-chave


Geografia; Formação do Professor; Espaço; Pedagogia; Práticas Pedagógicas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.38187/regeo2020.v3n3id245794

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E BASE DE DADOS