Quem somos? Uma abordagem epistemológica sobre a Geometria Gráfica e suas práticas.

Andiara Valentina Lopes, Maximiliano Carneiro-da-Cunha, Mariana Buarque Ribeiro de Gusmão

Resumo


Esse trabalho tem como objetivo fazer uma reflexão epistemológica a  respeito da Geometria Gráfica, de suas representações e do estudo da Forma como objeto de estudo. A ideia central partiu de questionamentos sobre os motivos que levaram a Geometria Gráfica a se encontrar na posição atual de desvalorização acadêmica. Isto inclui a retirada da disciplina do currículo escolar brasileiro, a falta de consenso com relação à identidade dos profissionais, bem como às mudanças de paradigma trazidas pelas novas tecnologias. Nesse sentido, procurou-se discutir: 1) a origem e desenvolvimento da disciplina no Brasil; 2) a identidade da Geometria Gráfica como ciência, cujo resultado final está vinculado ao estudo e a representação gráfica da Forma; 3) suas práticas, que durante muito tempo foramse fragmentando devido ao uso de diferentes nomenclaturas, tais como “desenho”, “desenho técnico”, “desenho geométrico”, “expressão gráfica”, entre outras; e 4) seu futuro como área do conhecimento, diante das diferentes perspectivas de atuação com as novas tecnologias digitais. Ao final, pudemos compreender que o termo Geometria Gráfica define melhor e de maneira mais eficaz esta área de estudo estabelecendo, de uma maneira objetiva, que o nosso objeto de estudo é a Forma em suas diferentes representações.


Palavras-chave


geometria gráfica; representação gráfica; desenho; representação

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Ana Mae. Resenhando o desenho: educação, política e história.

São Paulo: Cortez, 2015.

BARROS, Thyana F. G.; BELLEMAIN, Franck G. R. Nova Licenciatura em

Expressão Gráfica: parcerias para um futuro promissor. In:Anais X

International Conference on Graphics Engineering for Artsand Design /

XXI Simpósio Nacional de Geometria Descritiva e Desenho Técnico.

Graphica 13. Florianópolis, 2013.

BENTO, Alexandra. Geometria Descritiva: aprendizagem de uma nova

linguagem. Dissertação (Mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades

e Tecnologias. Escola de Comunicação, Arquitetura, Artes e Tecnologias da

Informação. Curso de Ensino das Artes Visuais, 2013.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei nº 4024, de 20

de dezembro de 1961. Brasília: Câmara dos Deputados, 1961.REVISTA GEOMETRIA GRÁFICA, Ano 2018, Vol. 2, n.1. ISSN 2595 – 0797 23

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei nº 5692, de 11

de agosto de 1971. Brasília: Câmara dos Deputados, 1971.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei nº 9.394, de 20

de dezembro de 1996. Brasília: Câmara dos Deputados, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros Curriculares

Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira. Desenho e desígnio: o Brasil dos

engenheiros militares (1500-1822). São Paulo, Edusp, FAPESP, 2011.

CHAPUT, Frère Ignace. Elementos de geometria: contendo noções sobre as

curvas usuais. Rio de Janeiro: F. Briguiet e Cia, 1954.

CNPq. Tabela de Áreas do Conhecimento. Disponível em:

mento.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2018.

COSTA, Mario Duarte e COSTA, Alcy Paes de Andrade Vieira. Geometria

gráfica tridimensional: sistemas de representação. vol. 1. 3ed. Recife: Editora

Universitária da UFPE, 1996.

DESENHO. Michaelis: dicionário brasileiro da língua portuguesa. Disponível

em https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portuguesbrasileiro/desenho/. Acesso em 19 set. 2018.

FÜRKOTTER, M.; MORELATTI, M. R. M. A Geometria da Tartaruga: uma

introdução à Linguagem LOGO. In: Anais SIMPÓSIO DE MATEMÁTICA, 4,

, Presidente Prudente, 2009. p. 1-29.

GARDNER, Howard. Inteligência Espacial. In: GARDNER, Howard

(Org.). Estruturas da Mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto

Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Mini dicionário da língua

portuguesa. 4.ed. rev.e aumentada. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

LORENZATO, S. Educação infantil e percepção matemática. Campinas:

Autores Associados, 2006.

LORENZATO, S. Porque não ensinar Geometria? Educação Matemática em

Revista. v. 3, n. 4, p. 3-13, 1995.

MARQUES, Filipe; FLORES, Paulo; SOUTO, Antônio P. Desenho e

Representação Gráfica: introdução ao desenho técnico. Universidade do

Minho Escola de Engenharia, Guimarães, 2017.

NASSER, L, et al. Geometria segundo a teoria de van Hiele. 3 ed. Instituto de

Matemática/UFRJ: Projeto Fundão, 2000.

PAVANELLO, Regina Maria. O Abandono do Ensino de Geometria: uma

visão histórica. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, UNICAMPSP, 1989.REVISTA GEOMETRIA GRÁFICA, Ano 2018, Vol. 2, n.1. ISSN 2595 – 0797 24

PAVANELLO, Regina Maria. O abandono do ensino de geometria no

brasil: causas e consequências. Revista, Zetetiké – 17, ano 1, volume 1, 1993.

PIAGET, J.; INHELDER, Bärbel. A Representação do espaço na

criança. Bernardina Machado de Albuquerque (Trad.). Porto Alegre: Artes

Médicas, 1993.

SAUSSURE, F. Saussure’s Third Course of Lectures on General

Linguistics(1910-1911) from the notebooks of Emile Constantin.

Komatsu, E.; Harris, R. (eds.). Oxford-New York-Seoul-Tokyo, Pergamon Press,

ULBRICHT, Sérgio Murilo. Geometria e desenho: história, pesquisa e

evolução. Florianópolis, 1998.

WONG, Wucius. Princípios de forma e desenho. São Paulo, Editora Martins

Fontes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.