A Semiótica Social, os Estudos em Jornalismo e os Diários Secretos do MST

Vilson Junior Santi

Resumo


Analisar a partir dos pressupostos da Semiótica Social a reportagem especial “Diários Secretos do MST”, publicada pelo Jornal Zero Hora em 18/05/2008, é nesse trabalho nosso objetivo central. Tal empreendimento carrega consigo a ambição genética de emprestar maior riqueza às análises linguísticas acerca dos Estudos de Jornalismo. Nele, tomamos o texto jornalístico como multimodal e procuramos prestar especial atenção aos diferentes sistemas semióticos que, em interação e/ou correlação, acabam por construir a notícia apresentada aos leitores. Para tanto, tratamos de delinear sequencialmente os fundamentos da Semiótica Social; as definições próprias de texto na abordagem; o MST no texto do Jornal Zero Hora; e as formas de intercâmbio entre os diversos sistemas semióticos. 


Palavras-chave


semiótica social; estudos de jornalismo; sistemas semióticos; texto multimodal; mst

Texto completo:

PDF

Referências


FAUSTO NETO, A. Participação comunitária no Brasil: equívocos e desvios comunicacionais. In. MELO, J. M. de (Org.). Comunicação na América Latina. Campinas: Papirus, 1989.

FELIPPI, A. C. T. Jornalismo e identidade cultural - construção da identidade gaúcha em zero hora. Tese: PUCRS, 2006.

GOHN, M. da G. Teorias dos Movimentos Sociais – paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997a.

GOHN, M. da G. Os Sem Terra, ONGs e Cidadania. São Paulo: Cortez, 1997.

GOHN, M. da G. Mídia, Terceiro Setor e MST: impactos sobre o futuro das cidades e do campo. Petrópolis: Vozes, 2000.

HALLIDAY, M. A. K. Introduction to Functional Grammar. London: Arnold, 1994.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. Construing Experience Through Meaning: a language-based approach to cognition. London: Continuum, 2006.

HASAN, R. Literacy, everyday talk and society. In.: HASAN, R.; WILLIAMS, G. (Eds). Literacy in Society. London: Longman, 1996, p.377-424.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading Images: the grammar of visual design. London: Routledge, 1996.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Multimodal Discourse: the modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

KRESS, G. Literacy in the New Media Age. London: Routledge, 2003.

LUKE, C. Cyber-schooling and technological change: multiliteracies for new times. In.: COPE, B.; KALANTZIS, (Eds.), 2000, p.69-91.

MARTIN, J. R. Analysing genre: functional parameters. In: CHRISTIE, F.;

MARTIN, J. R. (Orgs.). Genre and institutions. London; New York: Continuum, 1997. p. 3-39.

MORISSAWA, M. A História da Luta pela Terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

RIBEIRO, E. A RBS busca hegemonia nacional na mídia. Comunique-se, 6 out. 2002. Jornalistas & Jornalistas. Disponível em: . Acesso em: 7 out. 2004.

STÉDILE, J. P; GÖRGEN, F. S. A Luta pela Terra no Brasil. São Paulo: Scritta: 1993. SWALES, J. M. Genre Analisys: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge Universit Press, 1993.

VAN LEEUWEN, T. Introducing Social Semiotics. London: Routledge, 2005.

VAN LEEUWEN, T.; JEWITT, C. Handbook of Visual Analysis. London: Sage Publications, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Diretórios e Indexadores: Sumários, LivRe/CNEN, Periódicos UFPE, .periódicos. CAPES (em atualização).

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil