A TV Digital Interativa Brasileira e o Desenvolvimento do Conceito de Fluxo Re-Planejado

Carlos Eduardo Marquioni

Resumo


A customização da grade de programação (ou adaptação dos horários de exibição dos programas) pelo público está inserida entre as possibilidades tecnológicas que podem ser disponibilizadas pela TV digital interativa. Contudo, este tipo de recurso despertou nas emissoras o temor de perda de receita com anunciantes em função de uma eventual dispersão da audiência decorrente das alterações realizadas na grade pelo público. Este trabalho apresenta uma possibilidade de adaptação no conceito de fluxo televisual planejado a partir da interatividade na TV digital brasileira. Considerando as customizações da grade de programação, o trabalho propõe o desenvolvimento do conceito de fluxo re- planejado, que pode caracterizar uma alternativa para receita financeira das emissoras de televisão digital terrestre no Brasil a partir do aparecimento potencial de uma nova forma de audiência – derivada de características do ambiente Web que podem migrar para o contexto da TV digital. 


Palavras-chave


tv digital; interatividade; fluxo planejado; audiência

Texto completo:

PDF

Referências


ANDACHT, Fernando. El reality show: una perspectiva analítica de la televisión. Buenos Aires: Grupo Editorial Norma, 2003.

AUDIÊNCIA. Todo Canal: Audiência na TV. Disponível em: http://audienciadatv.wordpress.com. Acesso em: 01 ago. 2010.

CASTELLO-BRANCO, Patrícia Silveirinha. A visualidade háptica da televisão contemporânea. In: Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 32, n.2, p. 15-37, julho/dezembro 2009.

CEVASCO, Maria Elisa. Para ler Raymond Williams. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

ELLIS, John. Visible fictions Cinema: Television: Video. Eastbourne: Routledge, [1982] 2006.

ESQUADRÃO da Moda. Disponível em: http://www.sbt.com.br/esquadraodamoda. Acesso em: 01 ago. 2010.

FAGUNDES, José S. TV Digital: Convergência e interatividade. In:

FAGUNDES, José S.; BARBOSA, Marialva; FERNANDES, Marcio; J DE MORAIS, Osvando (org.). Intercom Curitiba 2009. São Paulo: Editora e Gráfica Vida & Consciência, 2009.

FERRAZ, Carlos. Análise e perspectivas da interatividade na TV Digital. In: SQUIRRA, Sebastião; FECHINE, Yvana (org.). Televisão Digital: desafios para a comunicação – Livro da COMPÓS 2009. Porto Alegre: Editora Sulina, 2009.

GARATTONI, Bruno. O Google reinventa a TV. Superinteressante, São Paulo, p. 94, Jul. 2010.

GOOGLE-ADSENSE. Saiba mais sobre o AdSense. Disponível em: http://www.google.com/adsense. Acesso em: 07 ago. 2010.

ILUSTRADA. Programação de TV. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2507201006.htm. Acesso em: 01 ago. 2010a.

ILUSTRADA. Programação de TV. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2707201007.htm. Acesso em: 01 ago. 2010b.

ILUSTRADA. Programação de TV. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2907201007.htm. Acesso em: 01 ago. 2010c.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. São Paulo: Senac, 2000.

TV MEETS web web meets TV. Introducing Google TV. Disponível em:

http://www.google.com/tv/. Acesso em: 20 mai. 2010.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. São Paulo: Paz e Terra, [1992] 2008.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

WILLIAMS, Raymond. Television: Technology and Cultural Form. Padstow: Routledge Classics, [1974] 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Diretórios e Indexadores: Sumários, LivRe/CNEN, Periódicos UFPE, .periódicos. CAPES (em atualização).

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil