Saindo do Anonimato

Francilene de Oliveira Silva

Resumo


Este estudo é parte de minha dissertação de mestrado que investiga a presença e a importância do “anônimo” e do cotidiano para a história e para o jornalismo brasileiro, no sentido de democratização de vozes que propicia um melhor entendimento da realidade social do momento abordado. Há uma tentativa de definição onde o termo “anônimo” é substituído por “protagonista do cotidiano”. A importância dada ao protagonista do cotidiano é pequena, segundo entendo, mas o mesmo pode ser identificado “dentro” e “fora” do jornalismo mostrando que todo ser humano, independente de profissão, renda, cor ou classe social tem uma boa história para contar. 


Texto completo:

PDF

Referências


BROCA, Brito, A vida literária no Brasil – 1900. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1960.

BRUM, Eliane. A Vida que Ninguém Vê. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2006.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo: Cultrix, 1999.

COLOMBO, F. Ultimas noticias sobre el periodismo. Barcelona: Anagrama, 1997.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões: campanha de Canudos. São Paulo: Martin Claret, 2002.

DEBORD, Guy. Sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. 3a reimpressão. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e Poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Editora Brasiliense, 1995.

DIMENSTEIN, Gilbert et ali: A aventura da reportagem. 2a edição. São Paulo: Summus Editorial, 1990.

FRASER BOND, F. Introdución al Periodismo. 2a ed. México: Editorial Limusa-Wiley, S.A., 1969.

GUIMARÃES, Lúcia. Manual do repórter. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 3 de maio de 2009. Caderno 2 Cultura, p. 1-2.

LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. São Paulo: Manole, 2004.

LE GOFF, Jacques. O maravilhoso e o quotidiano no ocidente medieval. Rio de Janeiro: Edições 70, 1983.

MEDINA, Cremilda. O signo da relação: comunicação e pedagogia dos afetos. São Paulo: Paulus, 2006.

MEDINA, Cremilda. Notícia, um produto à venda: jornalismo na sociedade urbana e industrial. São Paulo: Summus, 1988.

MONTAIGNE, Michel. Ensaios. Livro II. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ROSS, Line. L`ecriture de presse. Làrt dinformer. Québec: Gaetan Morin editeur, 1990.

SOUSA, Jorge Pedro. Tobias Peucer: Progenitor da Teoria do Jornalismo. In: Revista Estudos em Jornalismo e Mídia. UFSC, v.1, n.2, 2004.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: a tribo jornalística / uma comunidade interpretativa internacional. 2.ed. Florianópolis: Insular, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil