A Potência do Irrepresentável nas Fotografias de Fait!

Kátia Hallak Lombardi

Resumo


Este artigo propõe a discussão de algumas mudanças no estatuto da fotografia contemporânea em contexto de conflito, insegurança e instabilidade e suas implicações no espectador. Imagens da dor e da guerra são publicadas constantemente pelos veículos de comunicação, acabando por gerar uma verdadeira iconografia do sofrimento. É possível uma imagem menos atrelada ao drama, ao acontecimento em si e à noção de testemunho e objetividade, características consideradas indispensáveis no fotojornalismo cotidiano, também conter traços que nos levem à reflexão e à rememoração de conflitos passados? O livro Fait (2009), de Sophie Ristelhueber – que apresenta uma série de 71 imagens da Guerra do Golfo, no deserto do Kuwait – é usado para apontar novas configurações da fotografia de guerra. O silêncio e uma certa fragilidade da inscrição dessas imagens abrem espaço para problematizar a potência do irrepresentável. 


Palavras-chave


fotografia; irrepresentabilidade; guerra; fait

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil