De Gênero a Dispositivo: o retrato como encenação e produção de sujeitos em Cindy Sherman e Julia Cameron

Fernando Gonçalves, Débora Gauziski, Grécia Falcão

Resumo


Este artigo discute o retrato como dispositivo de construção e de problematização das representações do sujeito na fotografia do século XIX e na arte contemporânea. A partir da noção de anacronismo em Didi-Huberman e Michel Poivert, o texto analisará o retrato como campo de forças onde se legitimam e ao mesmo tempo se refutam as lógicas de representação do sujeito na fotografia, através de referências à literatura, à história da arte e ao audiovisual. Para tanto, discutiremos a “performance de si como outro” nos autorretratos da artista americana Cindy Sherman, relacionando-os às “encenações do sujeito como tipo” nos retratos do século XIX da inglesa Julia Cameron, uma das precursoras do movimento pictorialista. Com isso, buscaremos mostrar como a questão do tipo fotográfico funcionava já desde o século XIX tanto como mecanismo de construção e de reconhecimento quanto como forma de problematizar tais mecanismos em distintas épocas e tradições da prática fotográfica.

Palavras-chave


fotografia; arte contemporânea; retrato; anacronismo; sujeito

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil