Saber é sentir, sentir é saber: O ponto de partida do LABSensi

Maria Verônica Araújo de Santa OLIVEIRA, Rafaela Alves PACHECO

Resumo


RESUMO

Este artigo tem por objetivo resgatar o processo histórico que levou à criação, estruturação e organização do Laboratório de Sensibilidades do Curso de Medicina da UFPE/CAA. Iremos apresentar os questionamentos e referenciais teóricos e metodológicos que nos inspiraram para sua concepção. Partimos da crítica do alijamento da sensibilidade nos processos educativos em decorrência da hegemonia da racionalidade instrumental. Dentre suas consequências, evidenciam-se a estruturação de práticas questionáveis eticamente e impactos na saúde dos estudantes e profissionais de saúde. Buscamos, então, a construção de um espaço pedagógico para a incorporação do sensível no ensino de medicina através de estratégia multifacetada. Orientamo-nos pelas DCNs de Medicina, Medicina Centrada na Pessoa, visão holística do ser humano e do processo de ensino aprendizagem a partir da complexidade. Utilizamos metodologias ativas, vivências corporais e artísticas na construção coletiva, crítica e criativa de conhecimentos sensíveis visando a autonomia dos estudantes no desenvolvimento de habilidades clínicas.

Educação Médica. Educação Sensível. Corporeidade. Sensibilidade. Habilidades clínicas.


Knowing is feeling, feeling is kwnowing: LABSENSI’s starting point

ABSTRACT

This article aims to rescue the historical process that led to the creation, structuring and organization of UFPE / CAA’s Medical School Laboratório de Sensibilidade (Sensitivity Laboratory). We will present the theoretical and methodological questions and references that inspired its conception. The starting point is our critique of thesensitivity avoidance in educational processes due to hegemony of the instrumental rationality. Among its consequences, we can put in evidence ethically questionable structuring practices and health impacts on students and healthcare professionals. By teaching medicine through a multifaceted strategy, we seek the construction of a pedagogical space for incorporation of the sensitive. We are guided by the Medicine’s National Curriculum Guidelines, Person Centered Medicine, holistic view of the human being and complexity-based teaching learning process. We use active methodologies, body and artistic experiences in collective construction, critical and creative sensible knowledge aiming students’ autonomy in the clinical skills’ development.

Medical education. Sensible education. Corporeity. Sensibility. Clinical skills.


Conoscere è sentire, sentire è conoscere: il punto di partenza di LABSensi

RIASSUNTO

Questo articolo vorrebe presentare il processo storico che ha portato alla creazione, alla strutturazione e all'organizzazione del Laboratorio di Sensibilità del corso di medicina de la Universitá Federal de Pernambuco, Caruaru, Brasile. Presenteremo le domande e i riferimenti teorici e metodologici che ci hanno ispirato per la sua concezione. Partiamo dalla critica dell'eliminazione della sensibilità nei processi educativi dovuta all'egemonia della razionalità strumentale. Tra le sue conseguenze c'è la strutturazione di pratiche eticamente discutibili e impatti sulla salute di studenti e professionisti della salute. Cerchiamo quindi la costruzione di uno spazio pedagogico per l'incorporazione del sensibile nell'insegnamento della medicina attraverso una strategia poliedrica. Siamo guidati dai DCN della medicina, dalla medicina centrata sulla persona, dalla visione olistica dell'essere umano e dal processo di insegnamento che apprende dalla complessità. Usiamo metodologie attive, esperienze corporee ed artistiche nella costruzione collettiva, critica e creativa di conoscenze sensibili che mirano all'autonomia degli studenti nello sviluppo delle abilità cliniche.

Educazione Medica. Educazione Sensibile. Corporeità. Sensibilità. Abilità Cliniche.


Saber es sentir, sentir es saber: el punto de partida de LABSensi

RESUMEN

Este artículo tiene como objetivo rescatar el proceso histórico que condujo a la creación, estructuración y organización del Laboratorio de Sensibilidad de la Facultad de Medicina de la UFPE / CAA. Presentaremos las preguntas y referencias teóricas y metodológicas que nos inspiraron para su concepción. Partimos de la crítica a la eliminación de la sensibilidad en los procesos educativos debido a la hegemonía de la racionalidad instrumental. Entre sus consecuencias está la estructuración de prácticas e impactos éticamente cuestionables en la salud de los estudiantes y profesionales de la salud. Buscamos, entonces, la construcción de un espacio pedagógico para la incorporación de lo sensible en la enseñanza de la medicina a través de una estrategia multifacética. Nos guiamos por los DCN de medicina, la medicina centrada en la persona, la visión holística del ser humano y el proceso de enseñanza que aprende de la complejidad. Utilizamos metodologías activas, experiencias corporales y artísticas en la construcción colectiva, crítica y creativa de conocimiento sensible con el objetivo de la autonomía de los estudiantes en el desarrollo de habilidades clínicas.

Educación médica Educación sensible. Corporeality. Sensibilidad Habilidades clínicas


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação

Superior. Resolução CNE/ CES nº4, de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes

curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília,

nov. 2001; Seção 1, p.38.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação

Superior. Resolução CNE/ CES nº116, de 3 de abril de 2014. Institui diretrizes curriculares

nacionais do curso de graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília, 6 de jun, de

; Seção 1, p.17.

CAPRA, F. O tao da física: um paralelo entre a física moderna e o misticismo Oriental. São

Paulo: Cultrix, 1983. 260 p.

COSTA, Thais Almeida. A noção de competência enquanto princípio de organização

curricular. Rev Bras de Educação. Maio /Jun /Jul /Ago 2005 No 29. P 53-63. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n29/n29a05. Acesso em: nov. 2014.

DELUIZ, N. O Modelo das Competências Profissionais no Mundo do Trabalho e na

Educação: Implicações para o Currículo. Bol Técnico Senac. [periódico na internet] 2001;

(3). Disponível em: http://www.senac.br/BTS/273/boltec273b.htm. Acesso em: nov. 2014

DUARTE JÚNIOR, João Francisco. O Sentido dos Sentidos: a Educação (do) Sensível.

Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas, 2000.

Disponível em:

http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000211363&fd=y. Acesso em:

ago. 2014.

FIEDLER, Patrícia Tempski. Avaliação da qualidade de vida do estudante de medicina e

da influência exercida pela formação acadêmica. Tese(doutorado)--Faculdade de

Medicina da Universidade de São Paulo. Departamento de Medicina Preventiva. São Paulo,

FRASER, Sarah W; GREENHALGH Trisha Coping with complexity: educating for capability.

Education and debate. BMJ VOLUME 323 6 OCTOBER 2001. p. 799-803.

FREIRE, P. Política e educação. 2ª.ed. São Paulo: Cortez, 1995.

GAUTHIER, Jacques Henri Maurice. Carta aos caçadores de saberes populares. In:

COSTA, M. V. (Org.). Educação popular hoje. São Paulo: Loyola, 1997. p. 181-209.

GAUTHIER, Jacques Henri Maurice. O oco do vento: metodologia da pesquisa

sociopoética e estudo transculturais. Curitiba: Editora CRV, 2012.

LIMA, Valéria Vernaschi. Competência: distintas abordagens e implicações na formação de

profissionais de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, vol. 9, núm. 17,

marzo-agosto, 2005, pp. 369-379. Disponível em:

http://www.scielosp.org/pdf/icse/v9n17/v9n17a12.pdf. Acesso em: set. 2014.

KRISHNAMURTI, J. A educação e o significado da vida. 14. ed. São Paulo: Cultrix, 1994.MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Petrópolis, Editora vozes, 1998. 196p.

OLIVEIRA, Maria Verônica Araújo de Santa Cruz. A educação em saúde para além das

palavras, um encontro com o sentir. In: RODRIGUES, L. D.; VASCONCELOS, E. M. (Org.).

Novas configurações em movimentos sociais, vozes do Nordeste. João Pessoa: Ed.

Universitária, 2000. p. 95-115.

OLIVEIRA, Maria Verônica Araújo de Santa Cruz. A educação popular em saúde e a

prática dos agentes de controle das endemias de Camaragibe: uma ciranda que acaba

de começar [dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2002.

OLIVEIRA, N. L. S. Analisando uma abordagem educativa em saúde: o caso da oficina

do CAISM. 2001. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Estadual de

Campinas, Campinas, 2001.

PACHECO, Rafaela Alves. Sentir é Saber: A produção de (re)existências do saber

sensível no contexto de uma escola médica. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva)

– Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva-PPGSC, Universidade Federal de

Pernambuco – UFPE, Recife, 2019.

PEREIRA, Lucia Helena Pena; BONFIM, Patrícia Vieira. A Corporeidade e o Sensível na

Formação e Atuação Docente do Pedagogo. Contexto e Educação. Ano 21, nº 75 Jan./Jun.

p. 45-68.

PETIT, Sandra Haydée, Sociopoética: potencializando a dimensão poiética da pesquisa. In:

MATOS, Kelma Socorro Lopes de; VASCONCELOS, José Geraldo (org) Registro de

pesquisa na educação. 1ed Fortaleza LCR UFC. 2002.

PETIT, Sandra Haydée et Al. Introduzindo a sociopoética. In Santos et al (orgs) Prática da

pesquisa social nas ciências humanas e sociais: abordagem sociopoética. São Paulo:

Atheneu, 2005.

PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos (org). Exame Clínico. 7.ed. Rio de

Janeiro. Guanabara Koogan, 2013. 552p. 376p.

QUITANA, Alberto Manoel et al. A angústia na formação do estudante de medicin. Revista

Brasileira de Educação Médica. 32 (1): 7 – 14; 2008.

RAMOS-CERQUEIRA, A. T. A.; LIMA, M. C. A formação da identidade do médico:

implicações para o ensino de graduação em Medicina. Interface- Comunic, Saúde, Educ,

v6, n11, p.107-16, ago 2002.

RUDNICKI, Tânia; CARLOTTO, Mary Sandra. Formação de estudante da área da saúde:

reflexões sobre a prática de estágio. Rev. SBPH v.10 n.1, Rio de Janeiro, jun. 2007.

SALGADO, Ana Paula Alves; PROGIANTI, Jane Márcia; SANTOS, Iraci dos. Dimensão

mítico-simbólica de mulheres sobre o parto: estudo sociopoético. Rev Enferm UFPE On

Line. 2010 jan/mar;4(1):300-10.

SANTOS, Wilton Silva dos. Organização curricular baseada em competência na educação

médica. Rev Bras de Edu Médica. 87 35 (1): 86 – 92; 2011. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/rbem/v35n1/a12v35n1.pdf. Acesso em: nov. 2014.STEWART, Moira. Towards a global definition of patient centred care: The patient should be

the judge of patient centred care. BMJ VOLUME 322 24 FEBRUARY 2001.

STEWART, Moira et al. Medicina Centrada na Pessoa: transformando o método clínico.

a. ed. Porto Alegre. Artmed, 2010. 376p.

TAVARES, Claudia Mara de Melo. Como desenvolver experimentações estéticas para

produção de dados na pesquisa sociopoética e abordagens afins? Revista Pró-UniverSUS.

Jul./Dez.; 07 (3): 26-31.

UFPE-Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico do Agreste, Núcleo de

Ciências da Vida, Curso de Medicina. Projeto Pedagógico do Curso de Medicina.

Caruaru, 2014. Mimeo.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v5i9.243607

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Maria Verônica Araújo de Santa OLIVEIRA, Rafaela Alves PACHECO

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.