Racismo Reverso: O Porquê da sua Não-existência

Julian Silveira Diogo de Ávila FONTOURA

Resumo


Karl Marx já anunciava na obra Dezoito Brumário de Louis Bonaparte, “a história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”, por esse viés que compreendemos o fenômeno do racismo no Brasil, mas especificamente a noção de “racismo reverso” reverberada frequentemente na atualidade. Na busca de elucidar a negativa desse “conceito”, ou melhor, a sua não existência material e teórica, o ensaio aqui apresentado se manifesta de forma a evidenciar o equívoco primeiro que está por detrás deste suposto conceito. Baseado na estrutura estruturante da sociedade no que se refere ao seu ajuizamento imbricado no regramento jurídico ao longo da história do Brasil, temos presente os elementos constitutivos da análise. Conceber a ideia de racismo reverso como existente significa negar veementemente o contexto histórico-cultural da sociedade brasileira, possibilitando um enfraquecimento dos debates e da agenda antirracista nacional.

Luta Antirracista. Racismo Reverso. Relações Étnico-Raciais.

 

ABSTRACT

Karl Marx already announced in the work Dezoito Brumário by Louis Bonaparte, “history repeats itself, the first time as a tragedy and the second as a farce”, through this bias that we understand the phenomenon of racism in Brazil, but specifically the notion of “Reverse racism” is often reverberated today. In an attempt to elucidate the denial of this “concept”, or rather, its material and theoretical non-existence, the essay presented here manifests itself in a way that highlights the first mistake that is behind this supposed concept. Based on the structuring structure of society with regard to its judgment imbricated in the legal regulation throughout the history of Brazil, we are aware of the constituent elements of the analysis. To conceive of the idea of reverse racism as existing means to vehemently deny the historical-cultural context of Brazilian society, enabling a weakening of debates and the national anti-racist agenda.

Anti-Racist Struggle. Reverse Racism. Ethnic-Racial Relations.

 

RESUMEN

Karl Marx ya anunció en la obra Dezoito Brumário de Louis Bonaparte, “la historia se repite, la primera vez como tragedia y la segunda como farsa”, por este sesgo que entendemos el fenómeno del racismo en Brasil, pero específicamente la noción de “racismo inverso” ”A menudo resuena hoy. En un intento por dilucidar la negación de este “concepto”, o mejor dicho, su inexistencia material y teórica, el ensayo aquí presentado se manifiesta de una manera que resalta el primer error que se esconde detrás de este supuesto concepto. A partir de la estructura estructurante de la sociedad en cuanto a su juicio imbricado en la normativa legal a lo largo de la historia de Brasil, conocemos los elementos constitutivos del análisis. Concebir la idea del racismo inverso como un medio existente para negar con vehemencia el contexto histórico-cultural de la sociedad brasileña, posibilitando un debilitamiento de los debates y la agenda nacional antirracista.

Lucha antirracista. Racismo inversa. Relaciones étnico-raciales


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ronaldo de. Bolsonaro Presidente: Conservadorismo, Evangelismo e a Crise Brasileira. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 185-213, abril/2019. Disponível em: https://cutt.ly/lzp9YSz. Acesso em: 02 mar 2021.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BATISTA, Waleska Miguel. A inferiorização dos negros a partir do racismo estrutural. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, p. 2581-2589, out. 2018. Disponível em: https://cutt.ly/azp0Vgf. Acesso em: 02 mar 2021.

BERTONHA, João Fábio. O Império de Hitler: A “Nova Ordem” nazista na Europa, 1939-1945. Tempo, Niterói, v. 14, n. 28, pág. 239-244, 2010. Disponível em: https://cutt.ly/4zyUGfQ. Acesso em 04 fev 2021.

BOURDIEU, Pierre Félix. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

BRASIL, Lei Federal nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 29 ago. 2012.Disponível em: https://cutt.ly/6zyXLL2. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL, Lei nº 1, de 14 de janeiro de 1837. Da instrução primária. Disponível em: https://cutt.ly/QzyCVvW. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL. Decreto nº 847, de 11 de outubro de 1890. Promulga o Código Penal. Coleções de Lei do Império Brasileiro. Disponível em: https://cutt.ly/WzyXlhh. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL. Lei Federal nº 5.465, de 3 de julho de 1968. Dispões sôbre o preenchimento de vagas nos estabelecimentos de ensino agrícola. Diário Oficial da União: seção 1, 4 jul. 1968. Disponível em: https://cutt.ly/tzyCcPX. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL. Lei nº 2.040 de 28 de setembro de 1871. Declara de condição livre os filhos de mulher escrava que nascerem desde a data desta lei, libertos os escravos da Nação e outros, e providencia sobre a criação e tratamento daquelles filhos menores e sobre a libertação annaul de escravos. Coleções de Lei do Império Brasileiro. Disponível em: https://cutt.ly/OzyZSlY. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL. Lei nº 3.353 de 13 de maio de 1888. Declara extinta a escravidão no Brasil. Coleções de Lei do Império Brasileiro. Disponível em: https://cutt.ly/szyZMux. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL. Lei nº 581 de 4 de setembro de 1850. Estabelece medidas para a repressão do trafico de africanos neste Imperio. Coleções de Lei do Império Brasileiro. Disponível em: https://cutt.ly/LzyXq6w. Acesso em 02 mar 2021.

BRASIL. Lei nº 601, de 18 de setembro de 1850. Dispõe sobre as terras devolutas do Império. Coleções de Lei do Império Brasileiro. Disponível em: https://cutt.ly/azyZshk. Acesso em 02 mar 2021.

CAMPOS, Luiz Augusto. Racismo em três dimensões: Uma abordagem realista-crítica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, nº 95, p. 1-19, 2017. Disponível em: https://cutt.ly/BzyKYDp. Acesso em 07 fev 2021.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O racismo na História do Brasil – Mito e realidade. 5ª Edição. São Paulo: Ed. Ática. 1997.

CASTELLS, Manuel. Ruptura: a crise da democracia liberal, Rio de Janeiro, Zahar, 2018.

D'OCA, Fernando Rodrigues Montes. Tráfico de Escravos e Consciência Moral: O Pensamento Antiescravista de Epifânio de Moirans. Dissertatio, v. 46, p. 130-172, 2017. Disponível em: https://cutt.ly/4zyWrDh. Acesso em: 07 jan 2021.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 2007.

FONSECA, Marcus Vinicius. A arte de construir o invisível: o negro na historiografia educacional brasileira. Revista Brasileira de História da Educação, v. 13, 2007. Disponível em: https://cutt.ly/Kzye3U5. Acesso em 07 jan 2021.

FRIGOTTO, Gaudêncio.; FERREIRA, Sonia Maria Cultura Autoritária, Ultraconservadorismo, Fundamentalismo Religioso e o Controle Ideológico da Educação Básica Pública. Revista Trabalho Necessário, v. 17, n. 32, p. 88-113, 2019. Disponível em: https://cutt.ly/0zp2HVA. Acesso em: 02 mar 2021.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 47, n. 1, 2004. Disponível em: https://cutt.ly/LztFQdG. Acesso em: 10 jan 2021.

IANNI, Octavio. A racialização do mundo. Tempo Social, Rev. Sociol. USP, S. Paulo, v. 8, nº 1, p. 1-23, maio/1996. Disponível em: https://cutt.ly/Vzp0QiT. Acesso em: 02 mar 2021.

KIRK, Russell. Edmund Burke: redescobrindo um gênio. São Paulo, É Realizações Editora, 2016.

MAGALHÃES, Wallace Lucas. A “lei do boi” e a relação entre educação e propriedade, Tempos Históricos, v. 21, p. 434-464, 2017. Disponível em: https://cutt.ly/ezyx0DF. Acesso em: 07 jan 2021.

MAIO, Marcos Chor. Raça, Doença e Saúde Pública no Brasil: Um debate sobre o pensamento Higienista do século XIX. In: MAIO, Marcos Chor.; SANTOS, Ricardo Ventura. (Orgs.). Raça como Questão: História, Ciência e Identidades no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fio Cruz, 2010.

MENDONÇA, Joseli Maria Nunes. Entre a mão e os anéis: a lei dos sexagenários e os caminhos da abolição no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp/CECULT, 1999.

MONTEIRO, Patrícia Fontes Cavalieri. Discussão acerca da eficácia da Lei Áurea. Meritum – Belo Horizonte – v. 7 – n. 1 – p. 355-387 – jan./jun. 2012. Disponível em: https://cutt.ly/ozydBa4. Acesso em: 07 jan 2021.

MOORE JR., Barrington. Origens Sociais da Ditadura e da Democracia: Senhor e Camponês na Criação do Mundo Moderno. Hardmondsworth, Penguin, 1966.

PEREIRA, Cícero.; TORRES, Ana Raquel Rosas.; ALMEIDA, Saulo Teles. Um estudo do preconceito na perspectiva das representações sociais: análise da influência de um discurso justificador da discriminação no preconceito racial. Psicologia Reflexão Crítica, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 95-107, 2003. Disponível em: https://cutt.ly/Izp9KWm. Acesso em: 02 mar 2021.

POCHMANN, Marcio. Estrutura social no Brasil: mudanças recentes. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 104, p. 637-649, 2010. Disponível em: https://cutt.ly/tzt4hh2. Acesso em: 15 jan 2021.

SANTANA, Nara Maria Carlos de.; SANTOS, Ricardo Augusto dos. Projetos de modernidade: autoritarismo, eugenia e racismo no Brasil do século XX. Revista de Estudios Socieales, n. 58, p. 28-38, 2016. Disponível em: https://cutt.ly/nzp28iK. Acesso em: 02 mar 2021.

SAVAZZONI, Simone de Alcantara. Preconceito, Racismo e Discriminação, Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades e Direito, v. 12, n. 12, 2015. Disponível em: https://cutt.ly/VztFFU8. Acesso em: 10 jan 2021.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2019.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SERAFIM, Jhonata Goulart.; AZEREDO, Jeferson Luiz de. A (des)criminalização da cultura negra nos Códigos de 1890 e 1940. Amicus Curiae, v. 6, n. 6, p. 1-17, 2009. Disponível em: https://cutt.ly/Kzyf8zm. Acesso em: 07 jan 2021.

SILVA, Marcio Antônio Both da. Lei de Terras de 1850: lições sobre os efeitos e os resultados de não se condenar “uma quinta parte da atual população agrícola”. Revista Brasileira de História, vol. 35, nº 70, p. 87-107, 2015. Disponível em: https://cutt.ly/5zyytUM. Acesso em: 07 jan 2021.

WEDDERBURN, Carlos Moore. Racismo e Sociedade. Novas bases epistemológicas para enfrentar o racismo. Belo Horizonte: Maza Edições, 2007.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v7i13.250044

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Julian Silveira Diogo de Ávila FONTOURA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.