Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Polo Comercial de Caruaru – Pernambuco

Karla Giselle Silva de Castro, Jaqueline Guimarães Santos, Pamela Karolina Dias

Resumo


O expressivo número de resíduos sólidos gerados é um problema grave e parte desse problema se deve à falta de um gerenciamento adequado que possam minimizar os impactos ao meio ambiente. Com a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, foram definidas diretrizes para o governo, empresas e sociedade civil sobre a necessidade do correto gerenciamento e manejo de resíduos sólidos gerados. Assim sendo, este estudo teve como objetivo analisar como o Polo Caruaru realiza a gestão dos resíduos sólidos gerados a partir de suas atividades. No que concerne os procedimentos metodológicos, este estudo tem uma abordagem qualitativa, sendo a coleta de dados realizada por meio de entrevistas semiestruturas e observações diretas participantes, além da análise documental. Os principais resultados da pesquisa apontam que o Polo Caruaru atende algumas exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos, no entanto algumas práticas devem ser estabelecidas objetivando o gerenciamento correto dos resíduos sólidos gerados pelo empreendimento.


Palavras-chave


Resíduos Sólidos, Coleta Seletiva, Polo Caruaru.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, L., & Medeiros, F. (2016). A Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Desenvolvimento Sustentável. Recuperado de: http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=1be9573be51135cd.

Associação Brasileira De Normas Técnicas (ABNT). (2004). Classifica os resíduos sólidos com relação aos seus potenciais riscos ao meio ambiente e à saúde pública. NBR 10.004, Rio de Janeiro.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2016). Resíduos Sólidos – Classificação ABNT NBR 10004. Recuperado de: http://zeroacidentes.com.br/wp-content/uploads/2014/09/NBR-10004.pdf

Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – ABRELPE – (2017). Recuperado de http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2015.pdf .

Albuquerque, J. L. (org.). (2009). Gestão ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas.

Associação dos Protetores do Meio Ambiente (Asproma). (2017). Sobre. Recuperado de https://asproma.wordpress.com/about/.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Barbieri, J., & Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável: da teoria a pratica. São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Besen, G. R., Günther, W. M. R., Rodriguez, A. C., & Brasil, A. L. (2010). Resíduos sólidos: vulnerabilidades e perspectivas. In: SALDIVA P. et al. Meio Ambiente e Saúde: o desafio das metrópoles. São Paulo: Editora Ex Libris, 200 p.

Dias, G. F. (2000). Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 6 ed. São Paulo: Gaia.

Donaire, D. (1995). Gestão ambiental na empresa. – 2 ed. – 11. Reimpr. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, P. (2003). A reciclagem integradora dos aspectos ambientais sociais e econômicos. Rio de Janeiro: DP&A: FASE.

Lunardi, G. L., Frio, R. S., & Brum, M. de M. (2011). Tecnologia da Informação e Sustentabilidade: Um estudo sobre a disseminação das práticas de TI Verde nas organizações. In: Anais do XXXV Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro.

Martins, G. De A., & Lintz, A. (2010). Guia para elaboração de monografias e trabalhos de conclusão de curso. 2 Ed. São Paulo: Ed. Atlas S.A.

Marsaro, G. C. S. (2009). Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de um Shopping Center de Grande Porte do Estado de Goiás. Dissertação (Pós-Graduação em Engenharia do Meio Ambiente) – Escola de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás.

Ministério Do Meio Ambiente. (2016). Recuperado de: http://www.mma.gov.br.

Nascimento, L. F., Lemos, Â. D. Da C., & Mello, M. C. A. de. (2008). Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman.

Oliveira Filho, Jaime E. (2004). Gestão ambiental e sustentabilidade: um novo paradigma eco-econômico para as organizações modernas. Revista Domus online, 1(1), p. 92-113. jan.,/jun.

Plano De Gerenciamento De Resíduos Sólidos, (2016). Documento Interno. Polo Caruaru.

Política Nacional De Resíduos Sólidos. (2012). Centro de Documentação e Informação, Edição: Câmara, Brasília.

Polo Caruaru. (2017). Recuperado de: http://polocaruarupe.com.br/lojas/.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. (1998). Educação Ambiental na Escola e na Comunidade. Brasília: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/ONU

Santos, Z. dos. (2011). Coleta Seletiva e Responsabilidade Social: O Caso da Cooperativa de Reciclagem, Trabalho e Produção – Cortrap, em Brasília. Brasília.

Seiffert, M. E. B. (2011). Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. 2 ed. São Paulo: Atlas.

Silva, J. (2011). Responsabilidade social e sustentabilidade: o caso da Medianeira transporte Ltda de Ijuí/RS. Monografia (Curso de Administração) – Departamento de Ciências da Administração, Contábeis, Econômicas e da Comunicação da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Sforni, R. S., Oiko, O. T., Moretti, I. C., & Culchesk, A. S. (2011). Gestão de Resíduos: um Estudo de Caso em um Shopping Center em Maringá. Paraná.

Vergara, S. C. (2009) Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 10ª Edição, São Paulo, Ed. Atlas S.A.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!