e-Insurance ou Seguros Digitais – As Tecnologias de Informação e Comunicação utilizadas pelas principais empresas seguradoras do Brasil.

Lucas QUEIROZ FERREIRA, Francisco Carlos Lopes da Silva, Erica Souza Siqueira

Resumo


As seguradoras, que compõe o setor de serviços, são vistas como grandes agentes econômicos. A participação do setor de seguros, do Brasil deve chegar a 7,5% do PIB e, por outro lado, ainda é pouco acessível à população no varejo, principalmente em função de seus custos. Paralelamente, as tecnologias de informação e comunicação tem sido largamente utilizadas para inovar os negócios, organizações e sociedades, no sentido de ampliar serviços, reduzir custos, aumentar performance e alcance, bem como difundir informações.

Nesse cenário, essa pesquisa busca recuperar essa discussão, apresentando benefícios e barreiras para adoção de serviços online. Para contextualizar a discussão, foram exploradas as plataformas digitais das cinco maiores seguradas do Brasil, na intenção de verificar como os serviços online são oferecidos por meio das TICs. Como contribuição está a discussão de temas de e-Business e e-Insurance no sentido de aprimorar serviços e baratear custos, permitindo difusão  e ampliação do acesso de pessoas aos serviços securitários.

 


Palavras-chave


e-Insurance; e-Business; TIC; Seguradoras; Seguro

Texto completo:

PDF

Referências


Amit, R. & Zott, C. (2001). Value creation in e-business. Strategic Management Journal, 22., n. 6, 493-520.

Audy, J. L. N., de Andrade, G. K., & Cidral, A. (2009). Fundamentos de sistemas de informação. Bookman editora.

Biagi, F. (2013). ICT and Productivity: A Review of the Literature. JRC Institute for Prospective Technological Studies, Digital Economy Working Paper, 9.

Boateng, R., Heeks, R., Molla, A. & Hinson, R. (2008). E-commerce and socio-economic development: conceptualizing the link. Internet Research, 18, n. 5, 562-594.

Brasscom. (2014). Desoneração da Folha de Pagamento e Competitividade em TI. Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação Disponível em: . Acesso em: 7 abr 2018.

CASTELLS, M. (2000). A era da informação: economia, sociedade e cultura. In: A Sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

CERT.br. Cartilha de Segurança Para Internet. 2012. Disponível em: .

Cervo, A. L; Bervian, P. A. (1996). Pesquisa – conceitos e definições. In: Metodologia cientifica. São Paulo: Prentice Hall, 5ª Ed.1996, p.63-77

Cetic (2016). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros : TIC domicílios 2016 = Survey on the use of information and communication technologies in brazilian households : ICT households 2016 [livro eletrônico] / Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR [editor] -- São Paulo -- Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2

Cilo, N. (2018). Promissor, mercado de seguros cresce e se diversifica no país. Correio Brasiliense. Disponível em < https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2018/08/28/internas_economia,702357/mercado-de-seguros-cresce-e-se-diversifica-no-pais.shtml> Acessado em Dezembro/2018.

Claro. (2013). A. Sistemas de Informações Gerencias. São Paulo: Know How, 2013.

Coelho T. R. (20156). ICT4D: A inovação e o desempenho na perspectiva das capacidades de Sen. UFOR, 2015. Dissertação de Mestrado, UFPR, 2014. Disponível em: <20TAIANE%20RITTA%20COELHO.pdf.sequence=1> Acesso em 10/03/2018.

Conselho Nacional de Seguros - CNSEG. Normas do Setor. 2014. Disponível em Acesso em: 18 abr 2018.

Costa, A. D. S. C., SANTANA, L. C. D., & Trigo, A. C. (2015). Qualidade do atendimento ao cliente: um grande diferencial competitivo para as organizações. Revista de Iniciação Científica–RIC Cairu, 2(2), 155-172.

Cruz, T. (2000). Sistemas de informações gerenciais: tecnologias da informação ea empresa do século XXI . Editora Atlas SA.

Cunha, M. A. V. C. D., & Miranda, P. R. D. M. (2013). O uso de TIC pelos governos: uma proposta de agenda de pesquisa a partir da produção acadêmica e da prática nacional. Organizações & sociedade, 20(66), 543-566.

Cunha, M. A. V. C. D., & Miranda, P. R. D. M. (2013). O uso de TIC pelos governos: uma proposta de agenda de pesquisa a partir da produção acadêmica e da prática nacional. Organizações & sociedade, 20(66), 543-566.

Diniz, E. H. (2010). Correspondentes bancários e microcrédito no Brasil: tecnologia bancária e ampliação dos serviços financeiros para a população de baixa renda.

Duarte, R. (2002). Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de pesquisa, (115), 139-154.

ENS – Escola Nacional de Seguro. (2017). A arrecadação de seguros pode chegar a 7,4% do PIB em 2025. Disponível em < http://www.ens.edu.br/noticia-detalhes/arrecadacao-de-seguros-pode-chegar-a-74-do-pi> Acessado em Dezembro/2018

Fitzsimmons, J. A., & Fitzsimmons, M. J. (2014). Administração de Serviços-: Operações, Estratégia e Tecnologia da Informação. Amgh Editora.

Francisco, E. D., Kugler, J. L., & Larieira, C. L. (2017). Lideres da Transformaçao Digital. GVEXECUTIVO V16 N2, 23-26.

Guissoni, L. A. (2017). Omnichannel: uma gestão integrada. GV-executivo, 16(1), 24-27.

Khandare, M. A., & Ingle, A. (2018). Scope of internet advertising as part of ICT in the Insurance Sector (Einsurance). INTERNATIONAL JOURNAL OF SCIENTIFIC RESEARCH, 6(5).

Laudon, K. C. & Laudon, J. P. (2010). Sistemas de informação gerenciais. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

LAUDON, K. C., & LAUDON, J. P. (2007). Sistemas de informação gerenciais. Tradução Thelma Guimarães; revisão técnica Belmiro N. João.

Morais, E. P., Pires, J. A. & Gonçalves, R. M. (2012). E-business maturity: constraints associated with their evolution. Journal of Organizational Computing and Electronic Commerce, 22, 280–300.

Odoyo, F. S., & Nyangosi, R. (2011). E-insurance: an empirical study of perceived benefits. International Journal of Business and Social Science, 2(21).

Overby, E. (2008). Process virtualization theory and the impact of information technology. Organization science, 19(2), 277-291.

Padoveze, C. L. (2015). Sistemas de Informações Contábeis: fundamentos e análise. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2015.

Paladini, E. P. (2008). Gestão estratégica da qualidade: princípios, métodos e processos. Editora Atlas SA. 2ºEd.

Pinto, M. R. F. (2014). Estratégia competitiva no mercado de seguros: estudo de caso na cia Marítima Seguros SA. Universidade Federal De Santa Catarina Centro Sócio-Econômico

Porto Seguro. (2018). Central de Dúvidas e Atendimento a Clientes. 2018. Disponível em: Acesso em 22 mar 2018.

Raymond, L. & Bergeron, F. (2008). Enabling the business strategy of SMEs through e- business capabilities. A strategic alignment perspective. Industrial Management & Data Systems, 108, n. 5, 577-595.

Revista Apólice (2018). Prioridades em TI no mercado de seguros. Disponível em:

Rezende, D. A. (2007). Sistemas de informações organizacionais. São Paulo: Atlas. 2ºEd.

Silva, F. C. L. (2018). Contextualized reflections on information and communication technology and on the empowerment of women. Dito Efeito - Revista de Comunicação da UTFPR, v. 9, n. 14.

Silva, R. C. D. (2007). Gestão estratégica da tecnologia: instrumentos teóricos e aplicações. Jacobina: Rabisco.

Tanenbaum, A. S., & Zucchi, W. L. (2009). Organização estruturada de computadores. Pearson Prentice Hall.

Wharton (2013). Por que o mercado brasileiro de seguros não decolou. Disponpível em http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/por-que-o-mercado-brasileiro-de-seguros-nao-decolou/ Acessado em Dezembro/2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!